sábado, 4 de setembro de 2010

Incomode-se!

No silêncio de um olhar, de J.Pedro Martins



É difícil calar a voz, quando se aprende a falar...

Incomode-se quando não puder gritar contra as transgressões cotidianas.
Incomode-se com a letargia enxergada, nas pessoas e em si mesmo.
Incomode-se, sobremaneira, com a cabisbaixa postura daqueles que podem exercer mudanças, fazê-las acontecer.

Incomode-se em saber que se pode mais, quando, no entanto, o ânimo já desfalecido, não retumba, não faz ecoar ousadias.
Incomode-se com a palermice que chegou e não quer mais voltar.
Incomode-se com a falência múltipla dos sentidos de sobrevivência, que não têm mais o arrebatamento de outrora.

Incomode-se com a alegria não mais aguçada. 
Incomode-se com a procrastinação dos sonhos, antes tão decisivos e impulsionadores.
Incomode-se com a incerteza da escolha, na encruzilhada da estrada. 

Incomode-se com a angústia da sensatez que se mistura, no bojo das contradições, com orgulho ferido e maculado.
Incomode-se com o uso constante de muletas a amparar inconstâncias da lucidez.
Incomode-se quando blasfemar contra a própria história e não reconhecer os pilares erguidos no tempo.

Incomode-se ante os avessos que perturbam, fazendo-se verdades nos absurdos da incongruência.
Incomode-se quando não der conta de expurgar pensamentos revanchistas, enquanto o convite é para a festa da harmonia.

Incomode-se com o rufar dos canhões apostos, tingindo de sangue as amizades mal cuidadas.
Incomode-se com o "pântano enganoso das bocas", a surrupiar a autoestima.
Incomode-se com a carícia regrada, medida na rotina, sufocada na mornidade.

Incomode-se com a repetição dos equívocos, na covardia de não fazer o rompimento exigido.
Incomode-se em enxergar, pelo binóculo da experiência, o quão longe se vai o homem.
Incomode-se com a cegueira ante a proximidade dos desmazelos, dos "fast foods" diários.

Incomode-se com a timidez da fala, a malícia dos pensamentos e a recusa dos gestos.
Incomode-se com o conflito de fé, a minúscula entrega e a ardente sede de Deus, não saciada.
Incomode-se com os transtornos da humildade, a fragilidade da esperança e o contraste de valores.

Incomode-se com os olhares titubeantes, lançados às sombras de pensamentos dúbios, nefastos em sua essência.
Incomode-se com a própria imperfeição, tão evidenciada nas recaidas de decisões tomadas no auge da espiritualidade.
Incomode-se com este "rosário" de erros e defeitos, ainda não corrigidos, evidenciando o quanto a estrada é escorregadia.


Não se incomode, em tempo algum, com a estreita crença, com a utopia que nutre a alma, com a inatingível índole de conduta e com a inarredável postura ética... Não! Não se incomode! Talvez, se forem tão insistentemente validadas no cotidiano, as dores sejam menos intensas e as incomodações não passem de devaneios... meros devaneios.

25 comentários:

  1. Ola Gilmar!! Temos que realmente nos incomodar com tanta falta de respeito e outras coisas também, afinal se queremos um mundo melhor, temos que reclamar.Obrigado pelas palavras e pela visita, desculpa a ausência, mas o trabalho está tomando meu tempo ai só no fim de semana.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Gilmar, com algumas coisas não devemos nos incomodae mesmo, e, inclusive sermos fortes e irmos além da convicção do que é correto e bom.
    Inconformismo não é sinônimo de anarquia e devemos sim, nos incomodarmos!
    Agradeço, imensamente, as palavras carinhosas e de incentivo que você deixou. Só quem passa pelas situações consegue entender ao certo o que está se passando com o outro. Estou aqui na luta e não está sendo fácil. Acho que escolhi um período ruim: muito trabalho e pressão para todos os lados. Talvez, o ideal fosse nas férias, mas agora que começei vou tentar me manter forte.
    Um beijo e bom final de semana para você e sua família

    ResponderExcluir
  3. Oi Gilmar,

    Muito lindo! Sou incomodada com muitas coisas por natureza, mas tento não fazer disso um mantra, o que seria muito ruim pra mim e pra quem convive comigo. Bonito!
    Beijo,
    Irma

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, Gilmar!

    Ultimamente, tudo me incomoda.
    Tô ranzinza demaaaaaiiiiiisssssss! rsrs

    Perdão por eu não te visitar tão frequentemene quanto deveria, mas é que o tempo anda meio escasso.

    Beijo grande ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  5. Amigo de Excelência:
    Um sensato e sóbrio Post perante a insensatez humana que desiste, fraqueja quando está em "jogo" na sua existência humana o seu bem-estar e tranquilidade emocionais.
    Um belo e sensível pensar e sentir que maravilham pelo hino grandioso à vida que confecciona para todos nós.
    Brilhante. Fabuloso. Perfeito.
    Bem-Haja pela sua grandeza.
    Abraço amigo.
    Com respeito e estima. SEMPRE!
    Sempre a admirá-lo e ao que concebe com beleza imensa e enorme.

    pena

    MUITO OBRIGADO pela sua amizade.
    É um Ser Humano notável. Um amigo de bem.
    Adorei.

    ResponderExcluir
  6. Adorei o texto Gilmar em poesia revestido de prosa! Principalmente considerando-se o marasmo a que nos deixamos cair às vezes! Obrigada pela luz! Principalmente neste momento de escolhas tão significativas....
    Incomodar-se e não se incomodar, incômodos necessários....
    beijocas,
    mari.

    ResponderExcluir
  7. Meu querido amigo
    Como sempre um belo texto que convida à reflecção da vida.
    Adorei.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  8. Olá amigo Gilmar!
    Em primeiro de tudo tenho agradecer, o excelente comentário, que fez no meu blog. E agora digo-lhe que a mim não me incomoda nada visitar um amigo, que liga com as palavras como você lida, é até um prazer enorme ler o que escreve.

    Um grande abraço,
    José.

    ResponderExcluir
  9. Prezado Gilmar
    Com amizade "bem cuidada"... me dirijo a recortar, do seu post, algo lindo a que fui convidada por vc no dia de hoje:
    FESTA DA HARMONIA!!!
    Obrigado e tenha ótimo feriadão harmonioso com a família.
    Abraços fraternos

    ResponderExcluir
  10. Belíssimo texto amigo...um verdadeiro convite à reflexão...e a ação...
    Doce sábado...beijos...
    Valéria

    ResponderExcluir
  11. Gilmar meu amigo
    devemos sim nos incomodar com as correntes que nos cercam rasgando o que de mais rico e valoroso foi nos dado quando nascemos. O direito a vida, a liberdade, a amar sem preconceitos, a viver intensamente. Essa essência de viver temos que aproveitar enquanto estamos nesta terra.
    Certo que temos que nos incomodar com tudo que dissestes e principalmente com "o rosário de erros e defeitos..."

    Tenha um bom final de semana e depois passe na M@myrene e leia "O MEU FREGRESSO" que é a continuação do conto "O INTERNATO" que bem observado por ti lhe era devido.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Sabe querido Gilmar, hoje o que mais me incomoda é a ignorãncia, essa visão de achar que o outro é o inimigo, essa maneira de agir sem importar com o outro... São tantos incômodos... Às vezes dá desânimo me pensar como ser humano. Abçs.

    ResponderExcluir
  13. Devaneios ou rasgos de lucidez? Incomodar-se sempre, mas, necessária a sutileza do gesto, a ternura da fala, a generosidade que a idade nos presenteia. Afinal , qual a vantagem em envelhecermos se não for calarmos mais e ouvirmos ainda mais insistentemente?
    Não amornarmos nunca, a fagulha que nos mantém atentos, a paixão que nos mantém sedentos, a magia que nos mantém vivos.
    Pois nada disso, essa vida mundana e ordinária (palavras que você entende o sentido que tomo agora emprestado), seria possível sem a permissão de Deus, que conhece todos os dias de nossas vidas.
    Meu amigo, é a segunda vez que leio, e o impacto, a contrário do que normalmente ocorre, foi ainda maior com a segunda leitura. Cabe-nos muitas trocas ainda sobre o assunto, tenha certeza. Acabei de escrever um conto sob a nítida influência de seu tema "Incomodar-se".
    Sua admiradora e amiga, Deia.

    ResponderExcluir
  14. Olá, Gilmar
    Sabe alguns que mais me incomodam?
    A falsidade... a mentira... o despropósito... e o que não aprende a perder... é capaz de matar pra ter o objeto cobiçado mesmo que tenha que pisar em tudo e sobre todos...
    E tem mais... mas vou tentando me corrigir... afinal, também não sou perfeita!
    Tenha ótimo feriadão e seja sempre uma pessoa que "aponta e denuncia"... com sutileza e compreensão... nos impulsionanado a viver com excelente qualidade de vida.
    Abraços fraternos e de paz!

    ResponderExcluir
  15. Um olhar que rastrea os sentidos... Isso daria um poema e tanto!

    Vejo aqui um monumental texto sobre o inconformismo, um sentimento pouco em voga, pouco brasileiro, nossa cultura nos ensina desde cedo o contrário,
    sutilmente acalentamos a idéia que as coisas se resolvem por si só, ou um 'milagre' acontecerá... Não que eu não creia em milagre, bem pelo contrário, sou fruto de um. Só não podemos usar essas coisas como muletas..
    Vc usa frases fortíssimas que soam como chicotes a cortar a consciência,
    Gostei muito desse texto, e o primeiro pensamento que me veio foi 'não ficará pedra sobre pedra'
    Seria um novo recomeço para o Gimar? Um novo ser nascendo por dentro e por fora?
    Veremos o que nos dirá os próximos capítulos...

    Grande abraço! Ótimo domingo para vc!

    ResponderExcluir
  16. Gilmar,

    Fica difícil fechar a boca para certas incomodações. Ando sem muita paciência para as coisas que apertam o sapato, mas ainda bem que existe a compreensão existe pra suavizar tudo.

    Ótimo texto.

    Noite de luz, querido amigo.

    Rebeca

    -

    ResponderExcluir
  17. Olá Gilmar, muito bom o texto. A neutralidade não faz bem pra ninguém. Temos que sair de cima do muro e fazer ouvir a nossa voz. Você tem razão, a nova ordem é: Incomode-se! Bjsssss

    ResponderExcluir
  18. Olá Gilmar, todos têm o mesmo problema, as postagens do meu blog não são atualizadas.
    Já não sei mais o que faço; se você tiver alguma dica, por favor me avise.
    Abraços

    ResponderExcluir
  19. Incomodo-me sim com esse rosário de defeitos na vida pública Gilmar muito me incomoda.
    O poema é ótimo bem de acordo com o que vivi nessa madrugada e com o que vivo quase sempre nesse Brasil "independente" .Como ? no Rio sitiado pelos bandidos e mais por aí é o que se vê.
    Bom é voltar às minhas poesias , pra ser feliz.
    abraços Gilmar

    ResponderExcluir
  20. Gilmar,

    Gostei muito do texto, denso e tão real.

    Uma vez conversando com uma amigo, ele disse-me que uma vez que se enxerga, nunca mais paramos de olhar...É isso, vemos as desiguldades, as injustiças e nossas prostações em fazer nada ou tão pouco. Sim, porque ainda que aqui e ali divulgando e reclamando, acabamos olhando o nosso e esquecendo os demais, mas ficamos com o incômodo o tempo todo de nossa consciência, batendo, chamando para nos incomodar-se e levantarmos para agir!
    Bom cutucão!!!
    Adoros os textos que cutucam...rsrsrs

    Abs e ótimo feriado amigo, espero que possa descansar já que está trabalhando até tão tarde...

    ResponderExcluir
  21. É isso ai "Incomode-se"...
    Bom texto, gostei.
    E quanto a autorização pode ficar tranqüilo, pode postar( só me avisa para que eu possa comentar rs)
    Grande abraço até logo.

    ResponderExcluir
  22. Olá Gilmar.
    Belo texto. E o que me deixa triste é ver as pessoas se incomodarem e acomodarem.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  23. Olá Gilmar,
    Lindo o texto. Dá uma sacudida na gente, incentiva-nos a sair do marasmo, no comodismo em que tantas vezes mergulhamos e partir para a ação - há tanta coisa boa esperando por nós para ser feita!...
    Um grande abraço para você.

    ResponderExcluir
  24. Nossa, como me incomoda ver as coisas erradas e muitas vezes me prejudico por querer gritar as "quatros ventos" que eu não concordo!! Só me prejudico com isso,sendo sempre a primeira a colocar a "cara a tapa". Já tentei me policiar mas não consigo mesmo, está dentro da minha alma e se eu não fizer alguma a raiva que sinto de mim mesma é capaz de me consumir.
    Foi só um desabafo! E gostaria de dizer que me identifiquei muito com o seu texto Gilmar.

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos