sábado, 2 de abril de 2011

Um país de fortes contrastes!

Imagem retirada da reportagem do Globo Repórter

A semana foi marcada pela comoção do povo brasileiro em razão do falecimento do  ex -Vice-Presidente do Brasil. As mais diversas mídias repercutiram enfaticamente  o fato, ao longo dos dias. Não houve, creio eu, brasileiro que não desse notícia das faces emocionadas e vertendo lágrimas, tamanha a tristeza estampada.

Gente simples, comovida e devidamente retratada pelas mídias televisivas. Choros convulsivos, gritos de toda ordem e aplausos entusiásticos, flores, faixas, cartazes, dentre tantas e tantas manifestações.

Ainda sob o impacto de tamanha comoção, fui tomado pela repulsa ao assistir ao programa Globo Repórter, na noite de sexta-feira, onde uma matéria conduzida pela repórter  Graziela Azevedo, desnudava a “desgraça” a que se submetem, todos os dias, os brasileiros em busca de condições mínimas de saúde.

A cena, assustadora e dolorosa, levou-me às lágrimas. Incontidas lágrimas. Meu coração de pai não resistiu. Naquele leito de hospital, a pequena Ruth, de pouco mais de um ano, depois de quatro dias ali, mal conseguia respirar e  praticamente “jazia” ante a inércia da democracia; ante a maltrapilha cidadania. 

As cenas, fortes e dolorosas, podem ser acessadas no seguinte endereço:  (http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2011/04/mae-assiste-filha-morrer-por-falta-de-vaga-em-cti-infantil-no-para.html). No mesmo endereço o portal da globo retoma a reportagem, da qual transcrevo um pequeno diálogo entre a mãe e uma emocionada repórter:
“Márcia: Não sei se vou aguentar.
Globo Repórter: Calma. Como é que é o nome dela?
Márcia: Ruth.
Globo Repórter: Que idade ela tem?
Márcia: Um ano e três meses.
Globo Repórter: Ela chegou aqui já ruim assim?
Márcia: Ela chegou só com pneumonia, com uma febre e nada de eles darem remédio e deixando a menina piorar desse jeito.
Globo Repórter: Quanto tempo ela está aqui?
Márcia: Quatro dias.”

Enquanto o país chora a morte do ex-Vice-Presidente, já quase alçado a herói por sua tenacidade, vontade de viver e enfrentamento de um câncer, sofrendo e resistindo a mais de 13 intervenções cirúrgicas, além de tantos outros tratamentos específicos, este mesmo país assiste incólume, a cenas de horror, onde a miserabilidade do sistema de saúde impõe o "holocausto" a cidadãos de baixa renda, sujeitos às migalhas oferecidas pelo poder perpetrado por “engomadinhos engravatados”, larápios da dignidade e da cidadania.

É óbvio que também aplaudo a coragem e tenacidade de José de Alencar, todavia, ainda bem que ele não precisou utilizar nenhum recurso do SUS. Ainda bem que ele não precisou enfrentar quaisquer filas em hospitais públicos.  Ainda bem que não precisou dormir nas calçadas à espera de senhas. Ainda bem que não precisou contar com a “generosidade” de médicos. Ainda bem que haviam UTI’s disponíveis, remédios importados ou quaisquer outros e assistência de inquestionável competência... Ainda bem.  Ainda bem que, bem assistido, pode empreender benfeitorias públicas ao longo de sua vida... Uma pena, entretanto, é que Ruth não teve a mesma chance. Pouco mais de um ano de vida e, quando mais precisou do poder público, nada lhe foi permitido e a vida lhe foi ceifada, ou melhor dizendo, foi “surripiada”.

E esta é uma notícia que não dá “ibope”, não apraz às mídias a propagação. Não vende audiência! E é uma pena que a população deste país não se indigne a ponto de ocupar ruas, lançar ovos podres em políticos safados, gritar aos quatro cantos a dor que lhes sufoca, votar com a consciência ao invés da simples troca de favores e ocupar o lugar de heróis  que verdadeiramente são pela tenacidade em resistir aos desmandos e incompetências governamentais. É uma pena que a dor não alcance a compreensão de todo o povo,  de sorte a impor à “política tupiniquim” lições que deviam ser aprendidas no berço familiar, mas que, por conta de tanta ganância e impunidade, perpetuam em notícias de páginas policiais.

É... Somos um País de imenso contraste! Até quando nossas escolhas assim permitirão?!

4 comentários:

  1. Realmente somos um país repleto de contrastes e de poucos valores morais.
    Ver cenas como essa é de cortar o coração pois poderia ser qualquer um de nós a estar precisando de tratamento e condições dignas de atendimento. O que mais revolta é que pagamos e muito caro para termos isso.

    Um abraço solidário

    ResponderExcluir
  2. Gilmar, eu assisti o programa e chorei quando passaram a cena descrita no teu blogue, o absurdo foi o médico culpar os pacientes, outros não cumprirem o horário para o qual foram contratado. Gilmar, somos um povo muito acomodado, e enquanto formos assim, pouca coisa mudará. Deixo o meu afeto.

    ResponderExcluir
  3. Gilmar meu Amigo.

    Muitos, Muitos e Muitos Contrastes...!!1
    Bom domingo.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Sr. Gilmar Moraes. Tenho realmente que deixar minha profundíssima comoçao com essa reportagem e dos ultimos acontecimentos na vida de Ruth. É de verter-se em lágrimas mesmo. Confesso que nao consegui asistir a reportagem no momento. meu coraçao de mae nao suportou. Tive que preparar-me para tal, pois nao poderia deixar de escrever em meu blog a esse respeito.
    Estive por alguns dias sem palavras sem conseguir me expressar a dor que eu sentia me colocando no lugar daquela mae. Tanto que só consegui publicar hoje em meu blog. Confesso que eu nao teria sido tao pacífica quanto ela.

    Convido-o a visitar meu Blog e deixar lá seu cometario, se assim o desejar.

    Obrigada por tambem ser uma voz para pessoas como a pequena Ruth.

    perolavalentina.blogspot.com

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos