terça-feira, 10 de agosto de 2010

Instantes


Se eu pudesse viver novamente a minha vida,
na próxima trataria de cometer mais erros.
Não tentaria ser perfeito; relaxaria mais.
Seria mais tolo do que tenho sido; na verdade,
bem poucas coisas levaria a sério.
Seria menos higiênico.
Correria mais riscos, viajaria mais, contemplaria mais entardeceres,
subiria mais montanhas, nadaria mais rios.
Iria a lugares onde nunca fui,
tomaria mais sorvetes e menos lentilhas,
teria mais problemas reais e menos problemas imaginários.
Eu fui uma dessas pessoas que viveu sensata e produtivamente
cada minuto de sua vida; claro que tive momentos de alegria.
Mas, se pudesse voltar a viver, trataria de ter somente bons momentos.
Porque, se não sabes, disso é feita a vida, só de momentos,
não percas o agora.
Eu era um desses que nunca ia a parte alguma sem um termômetro,
uma bolsa de água quente, um guarda-chuva e um pára-quedas;
se eu voltasse a viver, viajaria mais leve.
Se eu pudesse voltar a viver, começaria a andar descalço
no começo da primavera, e continuaria assim até o fim do outono.
Daria mais voltas na minha rua, contemplaria mais amanheceres
e brincaria com mais crianças,
se tivesse outra vida pela frente.
Mas vejam, tenho 85 anos
e sei que estou morrendo...
Jorge Luis Borges
Escritor Argentino
1899-1986

Para saber mais:
Wikipédia
Arte Livre

15 comentários:

  1. É, acho que eu devia também "viajar mais leve"... Se bem que, já estou fazendo isso. Mas já é tarde. Aprender custa tempo.

    Uma boa semana, Gilmar.

    Michelle

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Pensou que havíamos nos esquecido de você?
    Nada disso... Por isso, estamos aqui outra vez!
    Viemos convidá-lo para ver como ficou a nossa interação na construção de um poema com o nosso grande e imortal poeta, Vinícius de Moraes.
    Estamos ansiosos para saber o que você achou do poema.
    Receba o nosso abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Pensou que havíamos nos esquecido de você?
    Nada disso... Por isso, estamos aqui outra vez!
    Viemos convidá-lo para ver como ficou a nossa interação na construção de um poema com o nosso grande e imortal poeta, Vinícius de Moraes.
    Estamos ansiosos para saber o que você achou do poema.
    Receba o nosso abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  4. Oi, querido amigo. Sabe que vim ler seu homenageado de hoje duas vezes. E, fiquei pensando se os poucos anos que vivi já seriam merecedores de serem revividos. Com alegria, descobri-me sorrindo, satisfeita comigo mesma por todas as escolhas que fiz. Mesmo as que não foram boas, ensinaram-me lições duras, mas necessárias. Depois, pensei se deveria amolecer minha, em geral, tão dura linha, e, aqui, confesso que parei e iniciei minha auto analise... Um dia eu lhe conto a que conclusão cheguei! E você? Mudaria alguma coisa - para frente ou para trás? Um beijo, Deia.

    ResponderExcluir
  5. Que lucidez...que sábios conselhos...devemos viver, não passar pela vida simplesmente...e viver o momento com intensidade, presença...imprimindo alegria, amor, leveza...
    Beijos...
    Valéria

    ResponderExcluir
  6. Geralmente qdo rumamos esta longa estrada que a vida sempre queremos fazer mais do que fizemos, sem nos atentar que o que fizemos possa ter atingindo a muitos, até mesmo em pequenos gestos. Acho que os Titãs chupou daí a letra da música "Epitáfio", é o que deu para perceber. Abçs, Gilmar.

    ResponderExcluir
  7. Meu querido
    Estou passando para deixar um beijinho-

    Sonhadora

    ResponderExcluir
  8. Gilmar,que beleza de texto encontrou!Uma mensagem cheia de sabedoria!Serve para todos nós!Abraços e mesmo com atraso felicidades pelo dia dos pais!

    ResponderExcluir
  9. Gilmar, ainda que possamos retornar e fazer algo diferente, não teríamos aprendido a lição com os erros cometidos e nem nos alegraríamos tanto com os acertos. Entre perdas e ganhos contabilizados ao longo dos anos, penso qua mais ganhei do que perdi. E quando me lembro do que perdi, acredito que ainda assim ganhei. Ganhei novas oportunidades, ganhei novos sonhos.
    Um beijinho e boa semana

    ResponderExcluir
  10. Querido amigo,Gilmar:
    Muito grata por suas visitas,e tão importantes comentários,incentivando-me,na estrada das palavras.è gratificante ler esse texto.
    Boas energias
    Mari

    ResponderExcluir
  11. Um conselho a seguir sen dúvida!
    A vida é mesmo feita de momentos e temos que tirar partido porque passam a correr.
    Um beijo Gilmar.

    ResponderExcluir
  12. Oi! rsrs! Conclusões? Para o futuro quero ainda mais flores. Quero todos os meus amores, assim, como estão hoje, grudadinhos em mim. Quero a sabedoria de deixá-los seguirem seus caminhos. Quero continuar disponível para eles. Quero voltar a trilhar meus próprios espaços, sem deixá-los, nunca, de lado. Eles são a minha prioridade. Quero olhar para trás e ver que vivi de amor. E, de amor alimentei quem de mais importante existe na minha vida: minha família! Gostou? rsrs! Ah! E o amor lá do Rumo? É claro que ela deixa ele fincar a bandeira! Ela ama, ama, e vai ser muito amada!! Minhas personagens são sempre felizes - junto com alguém ou em suas próprias companhias!! Lembre-se sempre: é meu jeito Pollyanna de ser! Beijos, amigo, Deia.

    ResponderExcluir
  13. "ela deixa ele..." é terrível! Vamos substituir por "ela o deixa...". Ai, quando a gente aperta o botão é que o erro pula na cara! Igual sapo! Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oi, Gilmar!

    Eu já conhecia esse texto.
    Lindo demais.

    Beijo grande pra vc!

    ResponderExcluir
  15. Primeiro agradecer pela lindo comentário que deixa na minha página.Gosto muito.
    E caminhar por aqui é ótimo , fico ruminando suas palavras durante o dia .
    Também já publiquei um poeminha desse maravilhoso poeta, algo assim como pensar em alguem e estar naquele exato momento com ela, na Islandia , em Minas , no Sul, entende?
    sem poesia meus dias ficam doídos, preciso de palavras mais que sons.
    Também gostaria de ter contemplado mais, pode ainda dar tempo rsrs
    abraços Gilmar obrigada pelo carinho

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos