sábado, 19 de março de 2011

Baú dos Caminheiros: Não...

"O Beijo", de Vitor Silva


Baú dos Caminheiros: Fúlvio Ribeiro

Não me ame, além do que posso te amar...
Não me peça aquilo que não tenho,
Não grite meu nome tão alto,
Tirando de sua voz a doçura...

Não me procure onde nunca estarei...
Não me prometa nada,
Só olhe em meus olhos...

Não se preocupe em ter “Isso” amanhã...
Viva comigo “Isso” hoje... Sem que “Isso” nos faça reféns.

E ao acordar,
“Isso” nascerá novamente,
Pois “Isso” que nos une com tanta beleza,
Eu chamo de Amor.
 Fúlvio Ribeiro


Publicado no dia 24 de agosto de 2010 no Reflexóes.

Este poema do Fúlvio é algo de maravilhoso! Quando o li, lá em agosto de 2010, já náo resisti e naquela ocasião, mesmo antes de pensar nessa coluna quinzenal (Baú dos Caminheiros) eu manifestei ao Fúlvio que gostaria de publicá-lo aqui. E hoje, com imensa alegria, cumpro o que foi dito.

Fúlvio é um desses raros poetas que conseguem cochichar palavras de despertamento. Que encanta pelo hábil "manejo das letras" e que "cutuca" as emoções já guardadas pelo tempo. Enfim, a poesia tem essa possibilidade impar de falar a cada um de um jeito especial. 

Conheça o Blog do Fúlvio, o Reflexões! Tenho certeza de que se encantará!

10 comentários:

  1. Realmente maravilhoso o poema de Fulvio! Abraços, tudo de bom, lindo fds!chica

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema e uma bela receita para manter um sentimento...

    Bjsss

    Mila

    ResponderExcluir
  3. O Fulvio é um grande poeta e um excelente amigo,fico feliz com a homenagem,parabéns aos dois!
    Obrigada pelo carinho,fico feliz quando deixa suas boas energias,em meu espaço,muitas dádivas em sua vida!
    um abraço,
    Mari

    ResponderExcluir
  4. O Amor é "isso" e muito mais.
    Lindo poema, Gilmar.
    Parabéns ao Fúlvio!


    Um abraço e feliz dia do bloqueiro.
    Deus seja contigo.

    ResponderExcluir
  5. Divino poema...adorei...
    O Fúlvio é um poeta maravilhoso, de uma sensibilidade unica.
    Fez muito bem em postar por aqui.
    Meu amigo tenha uma feliz semana...um abraço
    Valéria

    ResponderExcluir
  6. Oi Gilmar!

    Realmente o poema do Fúlvio é lindíssimo, gostei muito. "Não me peça aquilo que não tenho", eis uma frase fatal.
    Irei conhecer o "Reflexões" sim, obrigada pela dica.

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  7. Gilmar, realmente você tem razão, esses versos causam encantamento. Deixo o meu afeto.

    ResponderExcluir
  8. Um poema simplesmente divino!Boa sua escolha,Gimar!Bjs e boa semana!Adorei a musica do seu blog tb!

    ResponderExcluir
  9. Gilmar

    É com uma enorme satisfação que passo aqui hoje, venho não para comentar, mas sim para lhe agradecer por colocar aqui nesse espaço tão bacana um pouquinho da minha alma.
    Agradeço muito por você ter lembrado de mim, e me ter dado essa oportunidade de estar aqui representado nesse poema.
    Que deus abençoe você e a todos que passam aqui.
    Deixo o meu Carinho.
    Muito Obrigado.
    Grande Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Da boca dos poetas mais amadores saem as palavras mais belas e puras,mesmo que poucas e curtas são palavras que gritam de um coraçã que ainda tem esperança.

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos