terça-feira, 15 de março de 2011

Acorrentados

"Acorrentados", de Cristina Ferreira de Paula

Outros Autores

Paulo Mendes Campos


Quem coleciona selos para o filho do amigo; quem acorda de madrugada e estremece no desgosto de si mesmo ao lembrar que há muitos anos feriu a quem amava; quem chora no cinema ao ver o reencontro de pai e filho; quem segura sem temor uma lagartixa e lhe faz com os dedos uma carícia; quem se detém no caminho para ver melhor a flor silvestre; quem se ri das próprias rugas; quem decide aplicar-se ao estudo de uma língua morta depois de um fracasso sentimental; quem procura na cidade os traços da cidade que passou; quem se deixa tocar pelo símbolo da porta fechada; quem costura roupa para os lázaros; quem envia bonecas às filhas dos lázaros; quem diz a uma visita pouco familiar: Meu pai só gostava desta cadeira; quem manda livros aos presidiários; quem se comove ao ver passar de cabeça branca aquele ou aquela, mestre ou mestra, que foi a fera do colégio; quem escolhe na venda verdura fresca para o canário; quem se lembra todos os dias do amigo morto; quem jamais negligencia os ritos da amizade; quem guarda, se lhe deram de presente, o isqueiro que não mais funciona; quem, não tendo o hábito de beber, liga o telefone internacional no segundo uísque a fim de conversar com amigo ou amiga; quem coleciona pedras, garrafas e galhos ressequidos; quem passa mais de dez minutos a fazer mágicas para as crianças; quem guarda as cartas do noivado com uma fita; quem sabe construir uma boa fogueira; quem entra em delicado transe diante dos velhos troncos, dos musgos e dos liquens; quem procura decifrar no desenho da madeira o hieróglifo da existência; quem não se acanha de achar o pôr-do-sol uma perfeição; quem se desata em sorriso à visão de uma cascata ; quem leva a sério os transatlânticos que passam; quem visita sozinho os lugares onde já foi feliz ou infeliz; quem de repente liberta os pássaros do viveiro; quem sente pena da pessoa amada e não sabe explicar o motivo; quem julga adivinhar o pensamento do cavalo; todos eles são presidiários da ternura e andarão por toda a parte acorrentados, atados aos pequenos amores da armadilha terrestre.

Texto extraído do livro "
O Anjo Bêbado", Editora Sabiá - Rio de Janeiro, 1969, pág. 105.

8 comentários:

  1. Amigo Gilmar, nos dias de hoje é raro acharmos pessoas ternas. Este texto é demasiadamente significante e lindo. Deixo a minha ternura.

    ResponderExcluir
  2. Então presidiários somos todos nós.
    Um grande bj querido amigo

    ResponderExcluir
  3. Quem escolhe um texto lindo como este, com toda certeza é um presidiário da ternura.
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Meu Blog Tem Conteúdo

    Seleção dos Melhores Blogs Culturais do Brasil!
    http://meublogtemconteudo.blogspot.com/

    Parabéns pelo seu Blog!!!

    Você está fazendo parte da maior e melhor
    Seleção dos Melhores Blogs Culturais do Brasil!!!!

    -Só Blogs Premiados -

    Selecionado pela nossa equipe, você está agora entre
    os melhores e mais prestigiados Blogs Culturais do Brasil!

    Nós também estamos seguindo-o

    O seu link encontra-se Aqui:

    http://meublogtemconteudo.blogspot.com/

    Pegue nosso selo em:

    http://meublogtemconteudo.blogspot.com/

    Um forte abraço,

    Da Equipe do Meu Blog Tem Conteúdo


    http://meublogtemconteudo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Um belo texto...
    E quem não vive "atados aos pequenos amores "?! nem que seja um...

    Bjsss

    Mila

    ResponderExcluir
  6. OI Gilmar
    Um texto primoroso que nao canso de ler.
    certamente agarro-me aos poemas e sou uma acorrentada... das ternuras rs
    só recuso-me a acarinhar lagartixa rsrs

    abraço Gilmar
    obrigada pela partilha , que continuemos aqui a conversar com os amigos.

    ResponderExcluir
  7. Meu querido

    Hoje passando apenas para oferecer o meu selinho de 500 seguidores...feito com o carinho de todos que me seguem.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  8. Lindo texto amigo...isso para mim é viver com capricho no que faz, com ternura, dedicação e amor...tudo isso faz a vida valer a pena...
    Um carinhoso abraço...tenha um bom dia!
    Valéria

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos