sábado, 26 de março de 2011

Baú do Caminhar: Reclames da Educação

"lúdico...", de Solange Contrera


Reclames da Educação! 

Texto publicado em 10 de maio de 2010, ainda no início de tudo e trazendo à tona alguns registros da caminhada pedagógica. É um texto atemporal, ou seja, ainda cabe perfeitamente num cotidiano de exclusões e escolhas políticas equivocadas.

O educador, comprometido com seu sonho, em nome de um projeto existencial coletivo, tem cada vez mais aflorada e sensibilizada sua visão prospectiva de mudanças... Educação! Eis aí o grande desafio! Subjugada que sempre foi e clamando por luzes oniscientes, brotadas das mais sérias e compromissadas estirpes de educadores...
Educação que reclama passos firmes e mãos dadas num caminho aberto ao infinito da esperança. Que reclama a presença da verdade, o predomínio da prática-vida e a abominação do discurso vazio. Ela reclama o sonho que em todos os dias é sonhado num banco de escola: o sonho de se fazer presença-guia num cotidiano de exclusões sociais. A educação reclama ética!
    
Reclama o libertar das amarras covardes de ideologias escusas e a abolição da subserviência. Reclama do holocausto a que os mais distantes rincões são submetidos: por onipotência, por omissão, por ingenuidade. A educação reclama a mais explícita vontade política!
    
Reclama ouvidos aguçados, para os gritos sufocados, lânguidos, que se repetem como ecos e se perdem pelos vales sem sol. A educação reclama lucidez!
    
Reclama a coletividade para o sensibilizar, para o auscultar, para o planejar e para o construir. Reclama a fertilização do chão em que se pisa, onde tantas vezes se erguem estátuas ao tempo, abrigo de iletrados e de onde se levantam monumentos que não se explicam e nem se justificam, mas que reluzem aos olhos dos hipócritas e incoerentes. A educação reclama o desvelar da mentira onipresente!
    
Reclama um chinelo para os pés descalços, para os dedos já feridos por tantos tropeços, para que as pegadas sejam demarcadas no tempo e não se percam no horizonte que a humanidade faz descortinar. Reclama coragem, a falta de medo, o repúdio à covardia, para que o homem deixe de fingir o que sabe e abra-se ao saber do outro. Reclama o fim da dicotomia ostensiva e incongruente. A educação reclama pesquisa!
   
Reclama a aula “arco-íris”, que se curva ludicamente na sua volta ao abrigo onde nasceu, mas que encanta, que alegra, que motiva, que se torna um “escorregador” por onde a aprendizagem brinca e se diverte livremente. A educação reclama a criatividade!
Reclama corpo e alma se entregando às descobertas das próprias limitações e capacidades. Reclama a sede ardente do dualismo na educação-miragem hoje vigente. Reclama a sensatez: para a humildade, para o aprender, para o permitir-se, para o aceitar, para  o questionar e para o fazer... Sim... Para o fazer!
    
Reclama o que podemos dar: a disponibilidade de ser. Ser útil, ser disseminador do saber, ser aglutinador de encaminhamentos e profícuo articulador de propostas condizentes. A educação reclama a nossa parceria! E ela só quer o nosso pensar crítico convertido em um fazer responsável!
   
Está feito o convite!
Texto publicado, originalmente, em 10 de maio de 2010.

5 comentários:

  1. E tanta gente nem sequer percebe...
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Muito grata Gilmar,apenas discordo quanto ao nem ao menos rabiscar poemas,tente..Mesmo sendo palavras soltas,haverá sempre algo que irá inspira-lo!
    Quanto a coletiva,os homens também participarão sim,afinal nos mulheres compartilhamos esse dia tão especial,o amig Elcio com seu bom humor,resolveu fazê-lo pela segunda vez.Sera um dia bacana,pois as postagem sobre o tema será livre,ficando a critério dos participante a interação entre eles,apenas dando alô postei la no Verseiro.
    Um abraço amigo,
    Mari

    ResponderExcluir
  3. Um texto lindo que parece haver sido escrito hoje...abraços,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  4. Adorei tudo mas o repertório musical tá divino!rs...

    ResponderExcluir
  5. Oi Gilmar!

    Para que alguém tenha alguma chance de uma mudança de rumos com relação ao futuro, o investimento é em educação. Isso vale para uma nação, um estado, uma cidade, uma família e uma pessoa.
    A única porta que nos conduz a um futuro mais digno, a uma chance melhor é a educação. A educação, o conhecimento... E esse teu texto demonstra o quanto é difícil avançar nesse quesito no Brasil. A educação reclama um olhar cheio de luzes, possibilidades e ações concretas para seu real desenvolvimento entre nós. E para que as futuras gerações tenham a chance de tornar esse país um país grandioso.

    Beijos, excelente texto

    Carla

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos