sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Cornos generosos



Humor

1- Mineirinho envergonhado

O amigo chega pro Carzeduardo e fala:

—Carzeduardo, sua muié tá te traino co Arcide.

— Magina!! Ela num trai eu não. Cê tá inganado, sô.

— Carzeduardo! Toda veiz qui ocê sai pra trabaiá, o Arcide vai pra sua casa e prega ferro nela.

— Duvido! Ele não teria corage....

— Mais teve! Pode confiri..

Indignado com o que o amigo diz, o “Carzeduardo” finge que sai de casa, se esconde dentro do guarda-roupas e fica olhando pela fresta da porta.

Logo vê sua mulher levando o “Arcide” para dentro do quarto para começar a sacanagem.  Mais tarde, ele encontra com o amigo, que lhe pergunta o que houve.
E então, o Carzeduardo relata cabisbaixo:

— Foi terrive di vê!!!... ele jogou ela na cama, tirou a brusa.... e os peito caiu.....tirou a carcinha....e a barriga e a bunda dispencaro...... tirou as meia...e apariceu aquelas varizaiada toda, as perna tudo cabiluda. E eu dentro do guarda roupa, cas mãos no rosto, pensava: “Ai...qui vergonha que tô do Arcide!!!”


2- A estátua

Uma mulher está na cama com o amante quando ouve o marido chegar. 

 — Depressa, fique de pé ali no canto. 

Rapidamente ela cobre o corpo do amante com óleo e talco:  

—Não se mexa até eu falar. Finge que é uma estátua. Ouvi dizer que tem uma igualzinha na casa dos Almeida! 

Nisso,  o marido entra e pergunta:  

—Que é isto? 

Ela,  fingindo naturalidade:  

—Isso? Ah,  só uma estátua. Os Almeida botaram uma no quarto deles...Gostei
tanto da ideia que comprei uma igual para nós. 

E não falaram mais da estátua. 

Às duas da madrugada,  a mulher já está dormindo e o marido ainda vendo televisão. O marido se levanta,  caminha até a cozinha,  prepara um sanduíche,  enche um copo de cerveja e vai para o quarto. Ele se dirige para a estátua e diz:  

— Toma,  come e bebe alguma coisa. Eu fiquei dois dias que nem um idiota no quarto dos Almeida e nem um copo de água me ofereceram.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos