domingo, 11 de maio de 2014

O segredo do perfume

Metáfora



Conta-se que  aquela fábrica produzia o melhor perfume do mundo. Nada se igualava ! 

Certa  feita, tendo falecido o dono, veio a assumir os negócios da família o filho mais velho, formado numa grande universidade. Sua primeira medida foi providenciar um enxugamento do quadro de pessoal. Começou a demitir os que ganhavam os maiores salários.
  
Um fato porém o indignou: um velhinho de aproximadamente 70 anos, 50 dos quais dedicados àquela fábrica, tinha o maior salário,  ele só trabalhava uma vez por semana e por exatos 20 minutos. Soubera que era um especialista em odores e cuidava da qualidade do perfume.  Demitiu-o sem o menor constrangimento, pois afirmava que os técnicos cuidariam da qualidade.
   
Passados alguns meses, a fábrica  amargava uma terrível crise: produtos sendo devolvidos, poucas vendas, contratos desfeitos e muitas reclamações. O perfume nunca mais fora o mesmo, desde a saída do velhinho. 

Inconformado e preocupado, mandou chamar o velhinho e  pôs-se a interrogá-lo:
  
— Como pode?! Está tudo errado! O que está acontecendo?! Desde a sua saída a empresa acumula sérios prejuízos! Por que o perfume não é mais o mesmo?
   
—Olha filho! Há 50 anos eu e seu pai criamos esta fábrica ! Nunca quis ser o sócio. O dinheiro nunca me fascinou. O meu fascínio são os perfumes, os odores, as pessoas! Há 50 anos eu cuido disso! Quando você me vê passar pelos tonéis e apoiar minha bengala sobre eles, não imagina o que se passa não é mesmo??!! Pois eu lhe digo meu filho. É exatamente neste instante que estou colocando a essência do  perfume e só eu tenho  esta fórmula, pois ela me foi ensinada por meu pai e vem de geração em geração. Ela é injetada através de minha bengala. Este é o segredo ! E agora, o que pretende fazer com toda a arrogância que desmanchou a essência do perfume?
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos