quinta-feira, 15 de maio de 2014

Mãos de Educadores

Meus Rabiscos



A exuberância artística de Ilana Yahav, que desenha na areia, sobre uma mesa de vidro, usando apenas os dedos e as mãos, confunde-se com as "mãos de educadores"... "mãos" que constroem a exuberância humana!

Mãos, que criam movimentos na areia viva, grão a grão, formando cenas e permitindo que a emoção ouse sussurrar o verbo encantar...


Mãos, que desenham o oceano humano e as peripécias das ondas, no constante movimento do aprender a aprender...


Mãos, que num mágico movimento, de areias lançadas rumo ao futuro, convidam nosso olhar ao redesenho do ser... à riqueza de sua transformação!
Então, imagine os movimentos das asas dos sonhos trazidos aos bancos da escola... dos sonhos que alimentam nossas crenças... nossos propósitos... nosso fazer!


Imagine como o sol de cada aula acolhe, no diálogo do aprender, as vidas que se constroem nos gestos, olhares, sorrisos e afagos que o mestre empresta, sem quaisquer reservas!


O sublime ato de educar "se identifica com o pensar e o refletir. E tanto o prensar como o refletir ocorrem a partir da construção do texto de cada um. Na verdade, ao pensar construímos dentro de nós um texto, um discurso, uma fala para dentro. Quando ensinamos, aprendemos, nós mesmos, a tomar posse de nossa reflexão, em nós ou no outro" (Carlos Abdalla).


Permita-se, antes, durante e depois das aulas mais cinzentas, ser pássaro, de asas brancas cor-de-paz, construindo gente... a cada dia... a cada instante!


Assim é você, educador: um grande artista da alma humana. Capaz de juntar cada grão de areia e dar-lhe vida, forma, cor e sentido! 

Suas mãos, Mestres, tecem o nascer do sol que faz respirar o amanhã! Tecem a vida, humanizam os sonhos... Tecem gente!


Apenas Imagine!





Publicado originalmente em 19 de maio de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos