terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

O Tempo e as Jabuticabas...

Outros Autores

Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquela menina que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ela chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados. Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos. Não participarei de conferências que estabelecem prazos fixos para reverter a miséria do mundo. Não quero que me convidem para eventos de um fim-de-semana com a proposta de abalar o milênio.

Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir estatutos, normas, procedimentos e regimentos internos. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que, apesar da idade cronológica, são imaturos.

Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões de ‘confrontação' onde ‘tiramos fatos a limpo'. Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário-geral do coral.

Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: ‘As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos'. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa!...

Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão-somente andar ao lado do que é justo.

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.

O essencial faz a vida valer a pena.

Autoria: Rubem Alves 
Filósofo, Teólogo, Psicanalista, Professor, Escritor e Poeta...

10 comentários:

  1. Este é um os belos textos e Rubem Alvea. Uma boa escolha.
    Aproveito para agradecer o carinho.
    beijo

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo, sábias palavras que você dividiu conosco. Sim, nosso tempo a medida dos anos e com os avanços diminue e por isso mesmo temos que estar atentos ao que realmente nos importa, ao que realmente é prioritário.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  3. Gimar, chega certo momento de nossa vida que discutir sobre futilidades cansa, e, nessa hora, que queremos conversação com conteúdoa, as pessoas se confunde, e nos taxa de arrogantes, como se nos interessasse saber o que se passa no Big Brother, é nessa hora que digo que estamos "embializando" nossa mente, ou seja, tornando-nos imbecil. Abçs.

    ResponderExcluir
  4. Oi Gilmar, vim agradecer sua visita, é uma honra te-lo como seguidor. sempre que quizer voltar será bem vindo. eu estrei sempre aqui. seus texros são otimos.
    " o esssencial faz a vida valer a pena mesmo."

    lindo dia pra vc. bjs

    ResponderExcluir
  5. Texto lindo e verdadeiro, chega uma hora na vida que nos importamos em ser muito mais do que ter, em que as mesmices, intrigas, desamor, os papos sobre nada já não nos importa, queremos vidaaa, o tempo corre.
    Aiiii fora que me lembrou das minhas jabuticabas, que amooo e que apesar do que Rubem fala, sempre saboreie aos poucos, bem devagar, sentindo o gosto, a textura, o doce.

    beijocas homi parabéns pelo post

    ResponderExcluir
  6. Gilmar,que beleza sua escolha!Um texto simplesmente maravilhoso!Adorei!Bjs,

    ResponderExcluir
  7. Olá Gilmar!

    Sempre gostei dos textos de Rubem Alves. Esse, especificamente, traz à tona questões que devemos colocar como prioridade em nossas vidas e que, por descuido ou comodismo, não damos a devida atenção.
    E essa sensação de contagem regressiva pode trazer muitas angústias sim, mas a sabedoria do discernimento pode fazer com que esse processo seja menos traumático.

    Um ótimo texto, Gilmar!

    Um grande abraço e tudo de bom para você

    Deus seja contigo

    ResponderExcluir
  8. Só a maturidade faz enxergar o que é essencial, antes disso, as futilidades da vida nos distraem e são bastante atraentes.
    Rubem Alves é um grande observador da vida e isso é uma características que precisamos atentar!
    Gilmar, vamos aprendendo! Um dia quem sabe, chegamos lá!!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  9. Bela escolha...adoro Rubem Alves...
    Lindas palavras... é preciso saber viver o essencial, com simplicidade, beleza, ternura, leveza, amor... não percamos tempo com o que não for assim, independente de nossa idade.
    O tempo é precioso demais pra ser desperdiçado com tantas bobagens que não nos acrescentam nada, que não tragam felicidade.
    Beijos amigo...
    Valéria

    ResponderExcluir
  10. Olá Gilmar, ao ler o texto de Rubem Alves senti saudades dos bons tempos de FACEB. É gratificante "ruminar" boas lembranças, não é? Rubem Alves tem a facilidade de nos remeter a essas reflexões por meio de seus escritos. No caso desse texto, que reflexão profunda sobre a essência da vida!
    De fato, à medida que vamos vivendo devemos revisar nossoa valores, tornando-nos melhores. Ah! Também também ficamos um pouco intolerantes com aqueles que não conseguem enxergar tais coisas e elevam seus egos às alturas. Bom, isso é a complexidade da condição humana.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos