terça-feira, 9 de novembro de 2010

Servir... Sempre!

"Mãos de trabalho", de António Manuel Pinto da Silva
 Outros Autores
SERVIR
         Gabriela Mistral


Toda a natureza é uma aspiração de servir.
Nessa vontade:
serve a nuvem
serve o vento
servem os sulcos do arado.
Onde houver uma árvore a plantar,
deves plantá-la tu;
onde houver um esforço a que todos se neguem,
deves aceitá-lo tu;

Se aquele que
retirou a pedra do caminho,
o ódio entre os corações
e as dificuldades do problema.
Há a alegria de ser sadio
e a de ser justo;
mas há, sobretudo,
a formosa
a imensa alegria de servir.
Que triste seria o mundo,
se tudo nele estivesse feito.
Se não pudesse nele plantar uma flor,
ou iniciar uma conquista.

Não.
Não gostes apenas dos trabalhos fáceis.
É belo fazer-se os que os outros evitam
porque é difícil
Não caia no erro de acreditar
só há grandeza
nos grandes trabalhos:
há pequenos serviços,
que são imensos trabalhos.
Adornar a mesa,
pentear uma criança,
plantar uma flor...
Há uns que criticam,
há outros que destroem
- se tu o que serve.

Servir
Não é tarefa dos inferiores.
Deus,
que dá o fruto e a luz,
- serve.
Poderemos chamá-lo:
"O que serve"!
Quando o crepúsculo chegar,
fixa teus olhos em tudas mãos,
- servistes hoje?
A quem?
À árvores, a teu amigo, a tua mãe?

7 comentários:

  1. Olá Gilmar!
    Realmente é bem melhor servir que ser servido, a recompensa é interior, uma paz pelo dever cumprido...

    Bjs
    Mila

    ResponderExcluir
  2. Olá, Gilmar
    Em tudo amar e servir!!!
    Imagem bonita e post igualmente tecido...
    Tenha paz interior e alegria!!!
    Abraços fraternais

    ResponderExcluir
  3. Gilmar, meu amigo, se todos conseguissem pensar dessa forma, certamente, viveríamos muito melhor.
    Acho que ainda temos muito o que aprender na arte de servir, de nos doarmos.
    Fica registrado o seu texto!
    Um beijinho e espero que esteja bem

    ResponderExcluir
  4. Que divinas palavras querido amigo... servir com amor...sempre... beijos...
    Valéria

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia esta poesia. Uma lição de humildade em tempos de matéria tão sólida, de ambição tão alta, e de solidão tão escura. Um clarão que atingiu a finalidade que você (muito obrigado) imaginou: de maturar a minha reflexão, de dar a largada para a longa caminhada daqui por diante. Um grade abraço.

    ResponderExcluir
  6. Gilmar

    Digo que servir e fui servida e essa troca mútua nos dá o equilíbrio que precisamos.

    Beijos

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos