terça-feira, 30 de novembro de 2010

Prudência

"Rosa com espinhos", de Miguel P. Dias

PRUDÊNCIA
          Raul de Leoni



Não aprofundes nunca, nem pesquises
O segredo das almas que procuras:
Elas guardam surpresas infelizes
A quem lhes desce às convulsões obscuras.

Contenta-te com amá-las, se as bendizes,
Se te parecem límpidas e puras,
Pois se, às vezes, nos frutos há doçuras,
Há sempre um gosto amargo nas raízes...

Trata-as assim, como se fossem rosas,
Mas não despertes o sabor selvagem
Que lhes dorme nas pétalas tranquilas,

Lembra-te dessas flores venenosas!
As abelhas cortejam de passagem,
Mas não ousam prová-las nem feri-las...

Uma boa semana a todos!

5 comentários:

  1. "... não despertes o sabor selvagem"
    gosto dessa frase Gilmar.
    muitas vezes tudo vai tão bem e por causa de uma palavrrinha só , um gesto, um olhar . despertamos o que estava adormecido.
    Raul de Leoni tem poemas lindos.
    E voce com seu gosto apurado trouxxe o que tinha de melhor .
    Prudência é tao sutil , como um aviso , espera...calma . sossega o coração rs
    Adorei Gilmar
    e obrigada pelo abraço carinhoso envolvido em palavras.
    deixo outro pra renovar a amizade.
    muitos abraços

    ResponderExcluir
  2. Gilmar que lindo poema o que você compartilhou. Forte e verdadeiro. Só devemos tomar cuidado para que não desperte em nós, por motivos pequenos o amargo e o selvagem.
    Um beijinho

    ResponderExcluir
  3. Gilmar,

    Sempre encontro coisas bacanas aqui!!
    Sempre. Este texto é muito lindo.
    "Contenta-te com amá-las, se as bendizes,
    Se te parecem límpidas e puras"

    Contento-me

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  4. Lida poesia e a imagem perfeita! Prudência é boa parceira de vida sempre!abraçoa,chica

    ResponderExcluir
  5. Meu amigo

    Lindo poema e bela rosa, adorei.
    Queria oferecer o meu selinho de 400 seguidores, faria imenso gosto.

    beijinhos
    Sonhadora

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos