terça-feira, 5 de outubro de 2010

Ressurgir!

Foto: "Renascer para continuar", de Luisa Abreu


SOBRE RESSURGIR
Lucila Rupp de Magalhães



"Em vida quantas vezes morremos?

Morremos e ressurgimos. Sempre morremos em dor.
Dor da perda, dor da decepção, dor da traição, dor da incerteza, da insegurança, da rejeição e num sem-fim de dores. E quase sempre ressurgirmos em lutas e batalhas, crescendo e aprendendo.

A cada ação corresponde uma reação inversa e com igual força, diz uma lei da Física. Se se aplica ao caso, parece que aqui a reação é mais forte que a ação que a originou. Pode ser que ela nasça até mais fraca, mas se faz, pouco a pouco, mais forte. A próxima morte não será tão bruta. Não será tão violenta. Não será tão doída.

É uma grande esperança. Ao remexermos nossa caixinha de lembranças da vida, vamos encontrar muitas das nossas mortes e muitas das nossas ressurreições. É possível que para algumas das mortes nós não tenhamos dado a chance de ressurreição; gostamos de sofrê-las e não as deixamos emergir para dizimá-las com força da que existe em nós. Nesse movimento podemos aprender muito sobre nós mesmos e sobre como temos feito uso de nosso poder pessoal, no todo dia dos pequenos grandes acontecimentos."

Lucila Rupp de Magalhães é Mestre em Educação e
autora do livro “Aprendendo a lidar com gente”.

11 comentários:

  1. Que maravilha tudo por aqui!Texto lindo e imagem maravilhosa!abraços,chica

    ResponderExcluir
  2. meu querido
    Um belo texto que é vida, adorei.
    tenho saudades.

    beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  3. Ô, Gilmar... Tô vendo que vc anda sem tempo, cara... Espero que esteja tudo bem. Eu também não estou num mar de rosas no quesito "tempo" para o que gosto. Já pensei em desativar o blogue definitivamente, mas nem sou tão radical assim.

    Acredito nas ressurreições citadas. É o aprimoramento. Só que é opcional, há alguns que proferem a preferência pela própria morte física em vez de tentar a mudança. Um exagero, mas a demonstração de um muro de intolerância. Resiliência inédita.

    Estou ressurgindo por aqui. Saudades!

    Gde abraço,
    Michelle

    ResponderExcluir
  4. Olá querido amigo Gilmar, maravilhoso e reflexivo texto. A dor, para mim é a maior traição da vida...Que Deus me perdoe, mas não nasci para sentir dor! Paz e harmonia em sua vida.

    forte abraço

    C@urosa

    ResponderExcluir
  5. Em morte quantas vidas teremos?

    Ótimo texto.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Maravilhoso texto voce escolheu querido amigo...é verdade..na vida morremos e renascemos várias vezes...que bom não é? Se por um lado "morremos" em tristezas...por outro , brotamos e ressurgimos em esperanças e grandes transformações...
    Fique com meu abraço e beijos...
    Valéria

    ResponderExcluir
  7. Acompanha-me uma idéia desde pequena que quando dormimos (profundamente) morremos, e quando acordamos renascemos..
    A morte física, ao meu ver é como um sono profundo,
    ou o sono uma preparação para a morte, para nos habituarmos,
    são idéias..

    O texto excelente nos remete a uma reflexão, morte e ressurreição, muito necessárias nas idas e vindas dessa vida..

    Saudades de ler seus textos maravilhosos.. sei que tudo tem um tempo certo, logo o teremos inteiro de volta!

    Abraço carinhoso no meu amigo!

    ResponderExcluir
  8. Oi, Gilmar.

    Isso é verdade.
    E bem sei disso porque acabei de ressurgir.

    Beijo imenso pra vc!

    Aproveito pra te contar que estou com um novo blog. O Universo Literário. É todo sobre livros.
    Passa lá pra conferir!

    http://universoliterario1.blogspot.com/

    Espero que goste. :)

    ResponderExcluir
  9. Oi, queridíssimo e especial amigo! Gostei do texto, e pessoalmente não uso o termo morte, e sim luto - interessante a sutileza da diferença entre eles. Passo por lutos em minha vida, mas essa permanece intocada, preservada com toda a força e determinação. Beijos, Deia.

    ResponderExcluir
  10. Gilmar

    A caixinha da vida é cheia de surpresas e cabe a cada um de nós saber como jogar as cartas. Encontramos mortes mas com o nosso crescimento, amadurecimeto a ressureição é plena.

    Beijos

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos