terça-feira, 26 de outubro de 2010

O Aprendiz

"Aprendiz de viajante", de Pedro Soares

O APRENDIZ
Bertolt Brecht


"Construí antes de areia, depois construí de pedra.
Como a pedra desabasse,
não construí de mais nada.
Depois voltei muitas vezes a construir
de areia e pedra; conforme,porém,
tinha aprendido.

Aqueles a quem eu confiava a mensagem
dela faziam pouco; porém aqueles em que eu nem reparava
vinham com ela até mim.
Isso tenho aprendido.

O que eu recomendava não era posto em prática;
chegando mais perto, eu via
que estava equivocado e que o correto
havia sido feito.
Com isso eu tinha aprendido.

As cicratrizes doem
nos momentos de frio.
E eu digo sempre: só a sepultura
não terá nada mais a me ensinar."

15 comentários:

  1. Lindo! Tão verdadeiro que até doí.
    Obrigado por este seu post.

    Beijinhos doces, Ava.

    ResponderExcluir
  2. forte, intenso e cheio de aprendizado...
    Bjs Gilmar
    Mila

    ResponderExcluir
  3. Olá meu querido e sensível amigo poeta Gilmar, a atividade mais prazerosa da vida, para mim, é a aprendizagem. Ser aprendiz,sempre aprendiz das coisas do mundo, de mim mesmo...Parabéns pela escolha. Paz e harmonia em seus dias.

    forte abraço

    C@urosa

    ResponderExcluir
  4. Gilmar, meu amigo, o caminho que percorremos com certeza sempre nos apresententará aprendizado, mesmo que o mesmo se faça de maneira dolorosa, algumas vezes. Faz parte de nossa trajetória.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  5. Oi Gilmar
    Li um texto que o autor dizia que sempre que ouvirmos a frase : por que isso aconteceu comigo?
    pensoe logo que foi prá ele aprender rsrs
    Isso cabe a todos nós, se prestarmos atenção vamos sempre tirar lições.E aprender, claro!
    Bertolt Brecht tem outra "Louvor do Aprender" muito boa e sobre o mesmo tema , vou deixar um pedacinho aqui:

    "Aprende o mais simples! Pra aqueles
    Cujo tempo chegou
    Nunca é tarde de mais!
    Aprende o abc, não chega, mas
    Aprende-o! E não te enfades!
    Começa! Tens de saber tudo!
    Tens de tomar a chefia!

    Aprende, homem do asilo!
    Aprende, homem na prisão!
    Aprende, mulher na cozinha!
    Aprende, sexagenária!
    Tens de tomar a chefia!

    Frequenta a escola, homem sem casa!
    Arranja saber, homem com frio!
    Faminto, pega no livro: é uma arma.
    Tens de tomar a chefia.
    ...
    Vê c’os teus próprios olhos!
    O que tu mesmo não sabes
    Não o sabes.
    Verifica a conta:
    És tu que a pagas
    ... "

    E assim vamos aprendendo Gilmar,
    " só a sepultura nao terá nada mais a ensinar." ? será?
    ao que vai, porque aos que ficam...rsrs
    abraços abraços

    ResponderExcluir
  6. Maravilhoso Gilmar e como é bom passar aqui.
    Beijossss

    ResponderExcluir
  7. Boa noite, Gilmar.

    Realmente, às vezes nossas sementes caem em solos pelos quais nem passamos... foram levadas pelo vento, talvez. E aquelas que semeamos, caem no solo e lá ficam, sem nada produzirem.
    Essa é uma lição que aprendemos todos os dias.

    E quem saberá, meu amigo, se mesmo na derradeira hora, ainda não havemos de aprender algo?

    Muito bonito o poema.

    Grande abraço!
    Deus seja contigo.

    ResponderExcluir
  8. Querido amigo, de uma coisa não tenho dúvida...tudo é sempre aprendizagem...tenha uma bela noite...
    beijos...
    Valéria

    ResponderExcluir
  9. Lindíssimo poema, meu amigo!
    Valeu a pena vir aqui hoje e ler esta maravilha!
    Beijos, flores e muitos sorrisos!

    ResponderExcluir
  10. Meu querido amigo, não é fortuita sua escolha desse texto. Aparenta-me que tal qual o autor, nossa busca sempre nos surpreende (e coloco no plural, meu prezado amigo, porque é minha também a surpresa com o desenrolar da vida). Julgamos seguras e certas nossas trilhas e em dado momento, que a princípio nem nos parece tão importante assim, descobrimos que é coberto de ervas daninhas o caminho que antes nos parecia cercado de flores.
    De outro lado, qual a nossa alegria ao vermos que o que julgávamos mato na verdade floresce nessa eterna caminhada e exala o perfume que julgávamos que nunca mais sentiríamos...
    De balanços e tropeços, esse é o nosso destino. Nos parece tão efêmeros os momentos de satisfação pois ao compará-lo com os momentos de decepção, esses nos parecem intermináveis.
    Mas a verdade, querido amigo, é que ambos levam apenas o tempo justo de nossa aprendizagem. Nem um segundo a mais...
    Beijos sempre carinhosos da amiga, Deia.

    ResponderExcluir
  11. Sepultura é o descanso para as almas inquietas, atenta(da)s e porque não, com excesso de vida? Um poema fatal, certamente! (rs*) Beijus,

    ResponderExcluir
  12. Meu querido amigo
    Um poema muito sensível e ao mesmo tempo profundo.

    As cicratrizes doem
    nos momentos de frio.
    E eu digo sempre: só a sepultura
    não terá nada mais a me ensinar."

    Uma verdade sem tempo.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  13. Lembra amor de mãe...

    Enfim, temos que sempre fazer a nossa parte cristã, até mesmo no mais hostil dos lugares.

    Profundo e trabalhoso.

    Beijos e eu lhe deixei um comentário no seu poste: "Desafios e respostas..."

    ResponderExcluir
  14. Hey Gilmar! Amei a foto! e Amei o poema!
    beijocas,
    mari

    ResponderExcluir
  15. Palavras sábias.Nada melhor que o tempo para aperfeiçoarmos o nosso aprendizado. Faz parte continuarmos a nossa luta até o final, mesmo que o corpo esteja cansado, dolorido e desgatado pelo tempo.
    Quando chegar o momento de passarmos para outra fase é porque chegamos a total perfeição.

    Beijos

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos