quinta-feira, 2 de outubro de 2014

A Libélula

Metáfora
Libélula



Num lugar muito bonito, onde havia arvóres, flores e um lindo lago...

Certo dia, numa das árvores surgiu um casulo... E quando ele se rompeu, de dentro saiu voando uma linda libélula.

E ela ficou tão encantada com o lugar, que voou por cada pedaçinho... Brincou nas flores, nas árvores, no lago, nas nuvens...

E quando ela já tinha conhecido tudo...no alto de uma colina, avistou uma casa... A casa do homem...e a libélula havia de conhecer a casa do homem...e foi voando pra lá....

E então, a líbelula entrou por uma janela, justo a janela da cozinha...

E nesse dia, uma grande festa era preparada. Um homem com um chapéu branco...grande...dava ordens para os criados... Mas a libélula não se preocupou com isso.

Brincou entre os cristais, se olhou na bandeja de prata, como fizera no espelho das águas e explorou cada pedacinho daquele novo mundo... Quando, de repente, ela viu sobre a mesa...uma tigela cheia de nuvens!!!

E a libélula não resistiu, ela tinha adorado brincar nas nuvens...e mergulhou.... Mas quando ela mergulhou...ahhhhhhhh...aquilo não eram nuvens, e ela foi ficando toda grudada, e quanto mais ela se mexia tentando escapar...ahhhhhh mais ela afundava....

E a libélula então começou a rezar, e ela pedia ao Deus dos Insetos Voadores que a libertasse, fazia promessas e dizia que se conseguisse sair dali, dedicaria o resto de seus dias a ajudar os insetos voadores...e ela rezava e pedia...

Até que o chefe da cozinha começou a ouvir um barulhinho, e ele não sabia que era a libélula rezando e quando olhou na tigela de claras em neve...arghhhh um inseto!!! E ele pegou a libélula e a atirou pela janela...

A libélula então, se arrastou para um pedacinho de grama, e sob o sol começou a se limpar...e quando ela se viu liberta...ahhhhh ela estava tão cansada que se virou pra Deus e disse:

Oh Senhor, eu prometi dedicar o resto de minha vida a ajudar os outros insetos voadores, mas agora eu estou tão cansada, que prometo cumprir minha promessa a partir de amanhã...

E a libélula adormeceu...

Mas o que ela não sabia, e você também não sabe, é que as libélulas vivem apenas alguns meses e aquele seria o último dos dias...

E naquele pedacinho de grama, a libélula adormeceu, e não mais acordou....

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos