segunda-feira, 6 de outubro de 2014

MEU JEITO DE DIZER QUE TE AMO!

Meus Rabiscos


Meu jeito de dizer que te amo é torto, carregado de erros, sinônimos de mim mesmo. Não se parece com contos de fadas e nem rimas sabe aprontar.  Mas você sabe o grande segredo: o segredo de quem é o homem que este jeito sabe guardar!

Meu jeito já não carrega mais a delicadeza do namoro, dos beijos intermináveis e do abraço infindável. Ele agora, maduro, ainda conhece os lábios, mas as falas por eles pronunciadas têm o gosto da cumplicidade. O abraço é aconchego de sonhos que não morreram. Sobrevivem à rotina.

É o jeito de aprender a plasticidade humana, no meu espelho cotidiano. De oferecer paciência, quando há pressa. De sussurrar, quando a vontade é gritar. De olhar enternecedoramente, quando devorar se faz impossível.

Não carrega o desafio aturdido da angústia. Não reinventa paradigmas. Não permite sobejar a melancolia dos "prontos e acabados"! É, ao contrário, inconcluso porque se refaz a todo instante. É avesso a milagres, porque exige esforço, dedicação, comprometimento, entrega e compromisso. É sensível, porque sabe exercer a escuta que multiplica.

O meu jeito não é escrito nas novelas e não é visto nos filmes, onde a emoção convida a lágrima. Não sai da boca dos poetas, porque a poesia já foi quase esquecida. Não brota de textos magnânimos, pois as letras precisam acudir outros desatinos. Não ecoa feito melodia orquestrada, pois as partituras já se misturaram a esmo.

O meu jeito é enviesado no que aparenta. Confunde-se com displicência e desarranjos outros, mas não é egoísta. Carrega contradições da alma, no desvelamento do desejo. Ainda assim é insano, pois o querer insiste ressurgir a cada passo. Acaba por tornar-se pernóstico, pois sua parcialidade cega-lhe os rumos ante o surgimento do que desconhece.

Acontece de ser também um jeito clichê, perdendo-se em superficialidades e convencionalismos, porque a mutualidade da ressonância ousa distanciar-se. Ele então confunde proteção, de si mesmo, com necessidade de transbordamento.

Mas também se prontifica a proclamar, em alto e bom som, o quanto visceral é. O quanto nas entranhas ele habita.  E grita, sem medos ou reservas, por que assim o crê. Nada de exortação, convocação ou “decretos”. Grita porque se institui enquanto parte de mim mesmo. Porque se arrancado, desfaleço.

Meu jeito não transita num "céu de brigadeiro". Há nuvens remoendo trovões. Há raios que dilaceram. Mas é assim, desse jeito, no mais imperfeito, que aprendo a reconquistar.

Um jeito que encontra eco na afirmação de que “ninguém pode ensinar honestidade em palestras, lealdade com histórias, coragem por analogia ou maturidade pelo correio”. Então, o meu jeito também reclama não ser preciso debulhar palavras ao texto, engrandecê-lo de expressões cativantes, recheá-lo de superlativos mágicos e matizá-lo de verbos doces.

O meu jeito é incandescente, pois sua moradia é a verdade e não deixa adormecer a vontade! É metáfora deste homem, porque os significados residem na constante busca. É cheio de defeitos, quase irreparáveis, mas carrega, na simplicidade, o seu maior e mais contundente axioma: você!

O meu jeito de dizer é nascido da incompletude, porque a minha outra parte, a que eu mais amo, é você.

É o meu jeito...




Créditos
Foto 01 (Equilíbrio):Crystal Davis
Foto 02: (Espelho d'água): Bruno Deroose
Foto 03: (Tempestade): Jon Liu




Publicado originalmente em 12 de junho de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos