segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Ausências...


"Perdão", de Leom

Quando eu pensava que já poderia retomar o blog, depois de um tempo afastado, por conta de outros tantos tropeços na estrada, eis que sou surpreendido por impedimentos técnicos... Pois é! Tento ser o mais organizado possível, na minha desorganização cotidiana, em relação ao conteúdo do Caminhar & Ruminar. No meu notebook as pastas são dispostas de forma a facilitar e a memória de tudo é devidamente organizada. Por isso mesmo, durante minha ausência, as postagens puderam cumprir o cronograma pensado, mesmo porque, já havia estabelecido o compromisso de publicar as "Imagens que Falam"! 

Coincidentemente as imagens se misturaram ao cotidiano e o cotidiano nelas. Assim, vencido esse processo, já me preparava para retomar as outras publicações e os tão necessários comentários. Penso que os comentários constituem-se extremamente relevantes e de significância vital para quem deseja manter um blog e entranhar nas teias da mútua pertença, ainda que matizadas pela virtualidade.

O fato é que o meu notebook resolveu "se mandar" e "trancou-se" num mundo desconhecido para este usuário. Não abre mais. Não me permite acessar as informações. E o mais complicado ainda é que era um notebook corporativo, onde mesclava o uso doméstico e profissional. Fui salvo por uma outra coincidência, que é um pen drive, onde alguns poucos conteúdos puderam ser recuperados.

Não bastasse isso, a minha internet residencial resolveu também ficar inoperante. Enfim, o acúmulo de viagens e questões de ordem profissional só fizeram complicar, ainda mais, o caos.

Espero, para os próximos dias, poder recuperar o HD e assim retomar a "deliciosa" convivência, na mutualidade dos encontros. Pedindo perdão, pela demorada ausência, mas crendo na brevidade das soluções reclamadas, ofereço-lhes um texto que é atribuido a Kalil Gibran.

A ROSA
Kahlil Gibran
Havia num bosque isolado uma bonita violeta que vivia satisfeita entre suas  companheiras. Certa manhã, levantou a cabeça e viu uma rosa que se balançava acima dela,  radiante e orgulhosa. Gemeu a violeta, dizendo: "Pouca sorte tenho eu entre as flores! Humilde o  meu destino! Vivo apegada à terra, e não posso só levantar a face ao sol como fazem as  rosas." A natureza ouviu, e disse à violeta: "Que te aconteceu, filhinha?  As vãs  ambições apoderaram-se de ti?"
- "Suplico-te, ó Mãe poderosa", disse a violeta. "Transforma-me numa rosa, por um dia só que seja".
- "Tu não sabes o que estás pedindo", retrucou a natureza. "Ignoras o que se  esconde de  infortúnios atrás das aparentes grandezas."
- "Transforma-me numa rosa esbelta e alta", insistiu a violeta. "E tudo o  que me acontecer será a conseqüência dos meus próprios desejos e aspirações."
A natureza estendeu a mão mágica e a violeta tornou-se uma rosa suntuosa. Na tarde daquele dia, o céu escureceu-se, e os ventos e a chuva devastaram o  bosque. As árvores e as rosas foram abatidas. Somente as humildes violetas escaparam ao massacre. E uma delas, olhando em volta de si, gritou às companheiras:
-"Hei, vejam o que a tempestade fez das grandes plantas que se levantavam com orgulho e impertinência."
Disse outra: "Nós nos apegamos à terra; mas escapamos à fúria dos furacões."
Disse uma terceira: "Somos pequenas e humildes; mas as tempestades nada  podem contra nós."
Então a rainha das violetas viu a rosa que tinha sido violeta, estendida no  chão como morta. E disse:
- "Vejam e meditem, minhas filhas, sobre a sorte da violeta que as ambições  iludiram. Que seu infortúnio lhes sirva de exemplo!"
Ouvindo estas palavras, a rosa agonizante estremeceu e, apelando para todas  as suas forças, disse com voz entrecortada:
- "Ouvi, vós, ignorantes, satisfeitas, covardes. Ontem, eu era como vós,  humilde e segura. Mas a satisfação que me protegia também me limitava. Podia continuar a viver  como vós, apegada à terra, até que o inverno me devolvesse em sua neve e me levasse  para o silêncio eterno sem que soubesse dos segredos e glórias da vida mais do que as inúmeras  gerações de violetas, desde que houve violetas. Mas escutai no silêncio da noite e ouvi o mundo  superior dizer a este mundo: o alvo da vida é atingir o que há além da vida. Pedi então à natureza - que nada mais é do que a exteriorização de nossos  sonhos invisíveis - 'transforma-me em rosa'. E a natureza atendeu ao meu desejo. Vivi uma hora como rosa. Vivi uma hora como rainha. Vi o mundo pelos olhos  das rosas. Ouvi a melodia do éter com o ouvido das rosas. Acariciei a luz com as  pétalas das rosas. Pode alguma de vós vangloriar-se de tal honra? Morro agora, levando na alma o que nenhuma violeta jamais experimentara. Morro sabendo o que há atrás dos horizontes estreitos onde nascera, por que  é esse o alvo da vida."

 

8 comentários:

  1. A fala da violeta-rosa é emocionante, dramática... me fez lembrar Scarlet O'Hara... rs
    É... de um jeito ou de outro, cada um a seu modo, todos queremos atingir nossos limites e conhecer um outro lado da vida, mesmo que para isso tenhamos que deixar a segurança e o conforto de não ousar.
    Tomara que logo as coisas voltem a sua normalidade pra vc e, quando isso acontecer, passe lá no Chocolate, tá?
    Beijokas.

    ResponderExcluir
  2. Mais uma vez temos o prazer de convidar os nossos amigos para participar de nosso Concurso Literário. Nosso maior objetivo é a interação e levá-los a se inspirar e a expressar através das palavras o que o momento despertar em seu coração. Então em nome do Amor e da Caridade, estamos lançando o nosso: 2º Concurso Literário – Tema: Então é Natal...
    Contamos com a sua presença!
    Um abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  3. Gilmar, meu amigo, quantas coisas. Parece que muitas vezes tudo acontece, por mais que nos organizemos. Espero que consiga recuperar seus arquivos e que consigas resolver tudo.
    Um grande beijo

    ResponderExcluir
  4. As sincronias da vida: hoje pela manhã lia Salim Miguel, um catarinense que escreveu sobre a memória, a família, o Brasil, e para isso contou a história do seu pai que amava Gibran e Khayyam, entre outros. E fiquei com a poesia citada na cabeça. E veio você, com a sua escolha tão próxima. Então, comemoremos. Abraços.

    "Tão cedo passa tudo quanto passa!

    Morre tão jovem ante os deuses quanto

    Morre! Tudo é tão pouco!

    Nada se sabe, tudo se imagina.

    Circunda-te de rosas, ama, bebe

    E cala. O mais é nada."

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. Oi Gilmar!

    Imagino que não deva estar sendo nada fácil esse momento que vc está vivendo, mas como tudo passa, fique tranquilo!

    Espero que isso não atrapalhe a postagem do amigo secreto dia 12,
    qualquer contratempo favor me avisar para que eu possa tomar as providências, ok?!

    Fico daqui torcendo para que o tempo nos devolva nosso amigo Gilmar em plena forma..rs

    Abraços,

    ResponderExcluir
  6. Oieee, revelação do amigo secreto chegando...quem será?????

    Vai dar tudo certo Gilmar!
    Beijossssssssss

    ResponderExcluir
  7. Hey Gilmar!!!
    ótimos textos!!!
    Parabéns pelas escolhas! Inspiradores mesmos!
    beijocas,
    Mari

    ResponderExcluir
  8. Oieee, dia 12 esta chegando para ter a revelação do amigo secreto, quem seráaa? Beijoos :**

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos