terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Antes que seja tarde

                  Manuel da Fonseca

"Fim de tarde", de Gustavo Bueno



Amigo,
tu que choras uma angústia qualquer
e falas de coisas mansas como o luar
e paradas
como as águas de um lago adormecido,
acorda!

Deixa de vez
as margens do regato solitário
onde te miras
como se fosses a tua namorada.
Abandona o jardim sem flores
desse país inventado
onde tu és o único habitante.

Deixa os desejos sem rumo
de barco ao deus-dará
e esse ar de renúncia
às coisas do mundo.

Acorda, amigo,
liberta-te dessa paz podre de milagre
que existe
apenas na tua imaginação.

Abre os olhos e olha
abre os braços e luta!

Amigo,
antes da morte vir
nasce de vez para a vida.

6 comentários:

  1. Olá meu bom amigo poeta Gilmar, um belo e sensível poema, que valoriza a relação humana e a verdadeira amizade. Parabéns.

    *******************

    Este é o primeiro preceito da amizade: pedir aos amigos só aquilo que é honesto, e fazer por eles apenas aquilo que é honesto.
    (Cícero)

    forte abraço

    C@urosa

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo Gilmar,

    É verdade, dura e nua, existem pessoas que mais parecem um barco a deriva!
    Um belo texto para uma boa reflexão!

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  3. ola, Bom dia!! "amigo antes da morte vir, nasce de vez pra vida "
    adorei seu blog, ja te sigo. bjo

    ResponderExcluir
  4. Absolutamente perfeito.
    Um belo poema, querido!
    Tava morrendo de saudades... já estamos na véspera de Natal, meu amigo! Que absurdo como a vida passa.
    É preciso mesmo acordar, viver e ser feliz.
    Beijokas.

    ResponderExcluir
  5. Amigo,

    O Natal é amizade.
    A harmonia que nos une como uma família presente.
    A vida é muito especial como o amor
    Interno da paz e da fé.
    Dê o melhor, para obter o melhor
    Amor e paz ... não importa os
    Diamantes, a pedra mais valiosa é o AMOR!
    Feliz natal e um ano novo repleto de felicidade, amor e paz.
    Abraços !

    Deus seja contigo.

    ResponderExcluir
  6. OI Gilmar
    Estou aqui olhando e lendo suas escolhas e vejo Manuel da Fonseca como um mensageiro de recomeços antes que seja tarde! rs
    sempre há tempo pra abandonar barcos a deriva , jardins abbandonados.
    Gostei Gilmar
    obrigada .
    deixo o meu abraço e carinho

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos