quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Abacateiro do Apocalipse

Quintas de Humor!
"Cemitério dos Prazeres XLVII", de José Monge

Em  uma cidadezinha do interior, dessas bem tranquilas,  dentro do cemitério havia um abacateiro carregadinho e já no ponto da colheita.

Dois amigos decidiram entrar lá, à noite, quando não havia vigilância, e pegar  todos os abacates. 

Eles pularam o muro, subiram a árvore  com as sacolas penduradas  no ombro  e, no silêncio da noite, começaram dividir a colheita:

- Um pra mim, um pra você...

- Um pra mim, um pra você...

- Você deixou dois caírem do lado de fora do muro!

- Não faz mal, depois que a gente terminar aqui pegamos os outros  dois.
 
- Então tá bom, mais um pra mim, um pra você.

Um  bêbado, passando do lado de fora do cemitério, escutou esse  negócio de "um pra mim e um  pra você" e saiu correndo para a delegacia. Chegando  lá, virou-se para o policial e disse:

 - Seu guarda, vem comigo! Deus e o diabo estão lá no cemitério dividindo  as almas de lá! Estão separando, uma por uma, as almas do cemitério!
 
- Ah, cala a boca  bêbado.

- Juro que é verdade! Vem comigo!

De tanto insistir, o guarda se convenceu. Os dois foram até o cemitério, chegaram perto do muro, agacharam-se para não serem vistos e começaram a  escutar...

- Um para mim, um para você...

O guarda assustado:
 
- É verdade! É o dia do apocalipse! Eles estão dividindo as almas dos mortos! O que será que vem  depois?
 
Curiosos,  ouviram mais:
 
- Um para mim, um para você. Pronto, acabamos aqui. E agora?

 - Agora a gente vai lá fora e pega os dois que estão do outro lado do muro...

- Cooooooooooooooorrre!!!!

Uma ótima quinta a todos!

2 comentários:

  1. Olá!

    (rsrsrsrs)

    Já aprendi sobre a quinta do humor e vim aqui para descontrair.
    Muito bom!

    Um grande abraço :)

    ResponderExcluir
  2. kkkk
    Ótimo essa Gilmar
    vai gostar de abacate assim ... lá no cemitéro rs e sem querer espantaram outros que poderiam querer dividir a colheita.
    abraços amigo

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos