terça-feira, 15 de março de 2016

Construir Pontes...



Outros Autores


Manual básico para construção de pontes. 

Introdução : Com imenso prazer publico aqui esse breve manual. Destina-se àqueles que buscam adquirir noções elementares nesse processo laborioso. Minha intenção é servir de guia, contando, sempre, com o bom senso do meu leitor. 

Observação: Ao longo desse manual, não perca de foco a necessidade inexorável de prestar igual atenção a todas as etapas da construção, sob risco de, ignorando-se alguma, prejudicar a conclusão do projeto. Boa leitura! 

Etapa 1: Definindo o terreno:
O primeiro momento requer uma reflexão demorada: que caminhos pretende-se unir com essa construção? Para simplificarmos aqui, daremos alguns exemplos: podemos unir amigos, amores ou mesmo ideais. Caminhos definidos, parte-se para o estudo das margens. Há em ambas as margens bases sólidas para a construção de uma ponte? O rio que as separa está frequentemente tranquilo ou sofre alterações nas horas menos esperadas? Nessa etapa, geralmente, decide-se pela sequência, ou não, da obra (a autora reconhece que, repetidas vezes, os engenheiros fazem de conta que não notam que a construção é inviável e arriscam a queda da ponte. Se esse é o se caso, bem vindo a bordo!).

Etapa 2: Identificando os usuários:
Consideremos que, essencialmente, os seguintes transeuntes utilizarão frequentemente a nova edificação: a amizade, o respeito, a admiração, o carinho e, o mais importante, o amor. 

Etapa 3: Selecionando os materiais:
Serão necessárias fundações firmes que suportem as brigas e mal entendidos que possam ocorrer em ambas as margens. Adicione ladrilhos coloridos (nota da autora: dê preferência aos hidráulicos, parecem tapetes!) para que a travessia seja a mais alegre possível. Use cobertura de alumínio e vidro para que a amizade veja sempre o azul do céu mas que também proteja a admiração e o respeito das eventuais chuvas, que podem murcha-los e fazê-los definhar.

O guarda-corpo deve ser construido com material resistente ao tempo, pois pontes assim são feitas para durar toda a vida. Não se pode arriscar que a deteriorização permita que o carinho e o amor sofram qualquer tipo de acidente. 

Etapa 4: Executando a obra:
Respire. Até o presente momento muitas considerações foram feitas. Sabe-se quem se deseja unir, quais sentimentos cruzarão sobre a ponte livremente e que tipo de construção será a mais apta a cuidar desse tesouro. 

Não percebeu? Sua ponte esta pronta!

Agora, só é preciso marcar um encontro, bem gostoso, em sua parte mais alta e observar, bem acompanhado, o doce correr do rio que passa logo ali embaixo. Bom proveito! Ate a próxima!

                                                                                                                     Andréa Tolda


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos