terça-feira, 22 de março de 2016

Confusões da "Esperteza"


Humor

Falando demais
 
O garoto de 15 anos chega na farmácia e pede uma camisinha. O farmacêutico olha para o rapaz com um olhar surpreso.

É que eu vou jantar na casa da minha namorada e  nunca se sabe... de repente, pode rolar um clima...

O farmacêutico entrega o preservativo para o rapaz,  este paga e vai embora. Cinco minutos depois está de volta e pede outra camisinha:

Lembrei-me que a prima da minha namorada também vai estar lá... e ela é muito gostosa! Talvez ela se interesse por mim... só por precaução acho melhor levar mais uma!

O rapaz embolsa a segunda camisinha, paga e vai embora. Logo depois está de volta:

Sabe, moço! Eu estive pensando e acho que seria melhor eu levar mais uma,  só por precaução. Eu ouvi dizer que a mãe dela é tarada por rapazes novos e,  quem sabe,  ela também se interesse por mim.

À noite,  no jantar com a namorada,  a família toda reunida a mesa,  o rapaz permanece o tempo inteiro no mais absoluto silêncio. No final do jantar,   a menina se vira para o rapaz e cochicha:

Puxa! Você não falou uma palavra! Não sabia que você era tão tímido!

É... Eu também não sabia que o seu pai era farmacêutico!!!
 









Executar não é tudo

Um jovem executivo estava saindo do escritório quando ele vê o presidente da empresa em frente à máquina de picotar papéis com um documento na mão. Percebeu logo que estava confuso e querendo fazer a máquina funcionar. Assim que passa perto, para e é abordado:

Por favor, isto é muito importante e minha secretária já saiu. Você sabe como funciona esta máquina? 

Lógico! 

Nem pestanejou o jovem executivo e querendo marcar ponto, foi logo acudindo sem fazer qualquer outra pergunta. Ele tira o papel das mãos do presidente, liga a máquina, enfia o documento e aperta um botão. 

Excelente! Muito obrigado! Eu preciso só de uma cópia. Onde sai??

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos