segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Petitório

Outros Autores 

O poeta Vinícius de Moraes, morando em Itapoã, Salvador, enviou petição rimada ao prefeito Cleriston Andrade, através das páginas do jornal "A Tarde", clamando:

Prefeito Cleriston Andrade,
a quem não conheço,
quero tomar a liberdade
que eu nem sequer sei se mereço
de vir pedir-lhe, em causa justa,
um obséquio que seu favor
muito me honraria (e pouco custa)
ao Prefeito de Salvador.

Existe ali no principado
livre e autônomo de Itapoã
uma ruazinha que sem embargo
pertence a sua jurisdição
uma rua não sem poesia
e cujo título é dar teto
a uma das glórias da Bahia:
o governador Calazans Neto.
Dizer do estado desta ruela
(das Amoreiras) eu não arrisco
porque, sem esgotos, correm nela
rios de * valha-me o asterisco.

E isso é uma pena, Senhor Prefeito,
pois Calazans e sua gravura
têm cada dia mais procura
de fato como de direito:
o que constrange os visitantes
com boa margem de estrangeiros
é, entre gravuras fascinantes,
ver quadros nada lisonjeiros.
Calce essa rua, Senhor Alcaide,
e eu lhe garanto que algum dia
"pro domo sua", esta cidade
o há de lembrar com mais valia.

Na expectativa de que acorde
um novo "cumpra-se sem mais"
aqui se assina, muito ex-corde,
seu Vinícius de Moraes.


Vinícius de Moraes. Petitório, in Revista Visão. 24/12/73




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos