sábado, 19 de dezembro de 2015

O Tijolo



Metáfora
Um jovem e bem sucedido executivo dirigia, em alta velocidade, sua nova Ferrari. De repente um tijolo surgiu e espatifou-se na porta lateral do carro.

Freou bruscamente e deu ré até o lugar de onde teria vindo o tijolo.

Saltou do carro e pegou bruscamente uma criança, empurrando-a contra um
veículo estacionado e gritou:

— Por que isso? Quem é você? Que besteira você pensa que está fazendo? Este é um carro novo e caro. Aquele tijolo que você jogou vai me custar muito dinheiro! Por que você fez isto?

Um menino mal cuidado então implorou quase chorando:
— Por favor, senhor me desculpe, eu não sabia mais o que fazer! Ninguém estava disposto a parar e me atender neste local!

Lágrimas corriam do rosto do garoto, enquanto apontava na direção dos carros estacionados.
— É meu irmão. Ele desceu sem freio e caiu de sua cadeira de rodas e não consigo levantá-lo.

Soluçando, o menino perguntou ao executivo:
O senhor poderia me ajudar a recolocá-lo em sua cadeira de rodas? Ele está machucado e é muito pesado para mim.

Movido internamente para muito além das palavras, o jovem motorista, engolindo um imenso nó, dirigiu-se ao jovenzinho, colocando-o em sua cadeira de rodas. Tirou seu lenço, limpou as feridas e arranhões, verificando se tudo estava bem.

Obrigado! E que Deus possa abençoá-lo!
O menino agradeceu, sorriu ternamente e pôs-se a empurrar a cadeira em direção à sua casa.

O homem viu então o menino distanciar-se... Empurrando o irmão em direção à casa... Resolveu que era hora de voltar... Foi um longo caminho até a sua Ferrari... Um longo e lento caminho de volta...

Ele nunca mais consertou aquele pequeno defeito na porta amassada. Deixou-a assim para lembrar-se de não ir tão rápido pela vida a ponto de alguém precisar atirar um tijolo para obter a sua atenção... E refletia: "Deus sussurra em nossas almas e fala aos nossos corações. Algumas vezes, quando não temos tempo de ouvir, ELE tem de jogar um Tijolo em nós!"


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos