terça-feira, 23 de junho de 2015

Uma só vez...

Meus Rabiscos


Uma só vez, que errar, poderá desencadear um labirinto de dores e lágrimas, sem que saiba o quanto e a quantos...

Uma só vez, que faltar com a verdade, poderá macular a dignidade de outrem, sem que perceba a mancha imunda, a nódoa deixada...

Uma só vez, que burlar a ética, poderá igualar-se aos alcoviteiros, sem que se dê conta do covil onde transita, ainda que temporariamente...

Uma só vez, que imolar a paz do outro, poderá quebrantar-lhe o silêncio interior, sem que possa, mais tarde, retomar e invocar o seu próprio autorrespeito...

Uma só vez, que oferecer deslealdade, poderá provocar o maior tropeço de quem caminha ao lado, sem que sinta a dor da ferida exposta e nem perceba o andar trôpego de quem ruma o mesmo caminho...

Uma só vez, que permitir ao próprio coração petrificar-se, sem que recupere logo a temperança, então o perdão e a compaixão serão despejados e a abstenção de ferir não lhe será mais permitida!

E, preste bastante atenção! Uma só vez que encontrar-se perdido de si mesmo e receber amparo, é porque Deus ouviu seus lânguidos gritos, já sufocados nos desencontros intermináveis e elegeu seres sem cores, sem faces e sem formas prediletas ou viçosas, para ancorarem suas utopias e buscas. Você tem a permissão de guardá-los no peito e chamá-los de amigos. Aproveite os passos!

Essas são as minhas falas. Resultam do que dou conta de enxergar, hoje, aqui e agora, nesse instante.

Nessa série de "imagens que falam" (serão seis), o propósito é que elas falem a cada um, conforme os olhares que cada um puder e quiser emprestar...

Então, fique à vontade para olhá-las do seu jeito, como quiser...

Fraterno abraço!



Imagem: desconheço os direitos autorais. 
Ela foi escaneada de um quadro encontrado "num armário de escola", sem maiores informações.
Se alguém souber a origem, por favor, me comunique! 
Gostaria muito de dar créditos ao autor ou autora, pela relevância e significado da obra.
Publicado originalmente em 23 de outubro de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos