segunda-feira, 30 de março de 2015

As Três Peneiras

Meus Rabiscos

Dona Flora foi transferida de seção na fábrica em que trabalhava. Para “fazer média” com o novo chefe, logo no primeiro dia, saiu-se com esta:
- Chefe, o senhor nem imagina o que me contaram a respeito da Zefinha...
Nem chegou a  terminar a frase porque “seu” Lico aparteou:
- Espere um pouco dona Flora. O que vai me contar já passou pelas três peneiras?
- Peneiras? Que peneiras “seu”Lico?
- A primeira é a da VERDADE. Tem certeza de que esse fato é absolutamente verdadeiro?
- Não, como posso? O que sei foi o que me contaram, mas eu acho que...
- Então sua história já vazou na primeira peneira. Vamos à segunda que é a da BONDADE. O que vai me contar é alguma coisa que gostaria que os outros dissessem a seu respeito?
- Claro que não! Deus me livre!
- Então, essa história vazou na segunda peneira. Vamos ver se vaza na terceira que é a da NECESSIDADE. A  senhora acha mesmo necessário contar-me esse fato ou mesmo passá-lo adiante?
- Não , chefe. Passando nessas peneiras vi que não sobrou nada mesmo do que eu ia contar.



Pessoas ocupam, todos os dias, os mesmos espaços, compartilham o mesmo ar, o mesmo tempo. E as diferenças atiçam os excessos e as incompreensões, tornando propensa a irritabilidade.

Como já disse em outros textos, aquilo que somos, a qualquer momento de nossas vidas, será determinado por nossos relacionamentos com aqueles que nos amam ou se recusam a nos amar, com aqueles a quem amamos e a quem nos recusamos a amar.

O certo é que o conflito existe e será saudável se soubermos trabalhá-lo com franqueza, serenidade e maturidade, para que nossas relações sejam de qualidade e assim "existam".

Enquanto atitude, é necessário propor-se a evidenciar valores e compartilhar alegrias, ao invés de "cozinhar azedumes".

Então, por hoje é isso: verdade, bondade e necessidade! Vale propagar!



Publicado originalmente em 28 de agosto de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos