segunda-feira, 3 de novembro de 2014

A Nossa Parte

Metáfora



Um poeta foi para sua casa de praia buscar inspiração para escrever um novo livro. Seu hábito era passear pela areia toda manhã e a tarde escrevia.

Numa dessas caminhadas visualizou ao longe, um jovem que se abaixava, apanhava alguma coisa na areia e a arremessava ao mar. No dia seguinte, em seu passeio, observou novamente o jovem a repetir a mesma cena da manhã anterior. Abaixava-se, apanhava algo na areia e arremessava ao mar. Na terceira manhã, ante a repetição das mesmas cenas, o poeta, intrigado, achegou-se ao jovem e perguntou:

 O que fazes meu jovem?

Com voz tranquila e apaziguada, o jovem respondeu-lhe:

 Estou jogando essas estrelas-do-mar de volta ao oceano para elas não morrerem na praia.

 Mas porque você faz isso se milhões de estrelas-do-mar estão morrendo nas areias nesse momento e não vai fazer nenhuma diferença você salvar uma, duas ou três delas?

Ao que o jovem respondeu:

— Para essas duas ou três faz muita diferença.

A partir desse dia, toda manhã um jovem e um poeta ocupavam parte do seu tempo arremessando de volta ao mar, estrelas-do-mar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos