quarta-feira, 27 de julho de 2016

Autoridade!

Humor


Dia desses, o Santo Padre, o Papa, cansado da monotonia do Vaticano, decidiu por bem dar um passeio de carro. Dispensou de imediato o Papamóvel e mandou vir um outro carro, comum, mas mais potente.

Pouco depois, chega o veículo, devidamente conduzido por um chofer num terno bem alinhado. Depois de circular um pouco, o Sumo Pontífice toca o ombro do chofer e, na sua serenidade habitual, diz então ao motorista:

— Dêxa, filho... Quiero mucho dirigir un poquito só!

Sem nem pensar em contrariar ordens superiores, o motorista se abancou confortavelmente na poltrona papal, com todo o respeito.

O Santo Padre, ao volante, depois de certo tempo se empolgou e passou dos limites de velocidade, e foi flagrado por um guarda rodoviário. Este, por sua vez, ao ir interpelar o motorista apressadinho, quase morreu de susto quando viu que se tratava de ninguém menos que o Papa.

— Er... Sua Santidade!!!? O senhor infringiu o limite de velocidade e eu, por dever de profissão, tenho que multá-lo!

— Filho, errar é humano! Non me multa! Dêxa eu ir embora!

— Er... Sua Santidade... Vou ter que consultar meus superiores. Aguarde aí.

E o guarda, através do aparelho de rádio, entra em contato com seu comandante.

— Comandante, estou aqui com uma autoridade que desrespeitou o limite de velocidade e está pedindo para eu fazer vista grossa. O que eu faço?

— Guarda, que autoridade é essa? Trata-se do prefeito?

— Não senhor, comandante. Essa autoridade é mais importante que o prefeito.

— Ah, sim, o governador...

— Não senhor, comandante. É ainda mais importante que o governador.

— Não diga! O que o presidente anda fazendo por esses lados?

— Comandante, deixe-me dizer, não é o presidente. É mais importante ainda...

— Mas que raios de autoridade pode ser mais importante que o presidente?

— Também não tenho a menor noção, comandante, mas só para o senhor ter uma ideia, o motorista do homem é o Papa!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos