terça-feira, 6 de janeiro de 2015

A Caixa Dourada

Metáfora
Beijos soprados



Há um certo  tempo atrás, um homem castigou sua filhinha de três anos por desperdiçar um rolo de papel de presente dourado. O dinheiro  andava escasso naqueles dias, razão pela qual o homem ficou furioso ao  ver  a  menina envolvendo uma caixinha com aquele papel dourado e colocá-la debaixo da árvore de Natal.

Apesar  de  tudo,  na  manhã  seguinte, a menininha levou o presente a seu pai e disse:

— Isto  é  para você paizinho.

Ele sentiu-se envergonhado da sua furiosa reação, mas voltou a explodir quando viu que a caixa estava vazia. Gritou  dizendo:

— Você  não  sabe  que quando se dá um presente a alguém a gente coloca alguma coisa  dentro  da  caixa?

A pequena menina olhou para cima com lágrimas  nos  olhos  e  disse:

— Oh, paizinho, não está vazia. Eu soprei beijos dentro da caixa. Todos para você, papai.

O pai quase  morreu  de  vergonha,  abraçou  a  menina  e  suplicou  que ela o perdoasse.

Dizem que o homem guardou a caixa dourada ao lado de sua cama por anos e sempre que se  sentia  triste, chateado,  deprimido,  ele    tomava  da caixa um beijo imaginário e recordava o amor que a filha havia posto ali.

De  uma  forma  simples, mas sensível, cada um de nós humanos temos recebido uma caixinha  dourada,  cheia  de amor incondicional e beijos de nossos pais, filhos irmãos e amigos...

Ninguém poderá ter uma propriedade ou posse mais bonita que esta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos