segunda-feira, 13 de março de 2017

A lenda do esconderijo seguro



Metáfora
Aconteceu em tempos já distantes...


Observando o comportamento irregular das criaturas humanas, a sua ingratidão e contínua rebeldia, Deus resolveu reunir a Corte Celeste, a fim de apresentar sua opinião pouco favorável aos seres inteligentes que, invariavelmente utilizavam do conhecimento e da razão para protestar, exigir, reclamar contra tudo e todos, demonstrando irritabilidade e desconsideração para com a Paternidade Divina. 


Ante a expectação geral dos anjos, arcanjos, querubins e potestades, o Senhor explicou que desejava ensinar aos homens e mulheres terrestres uma forma condigna para O buscarem. 


Todos sabiam que Ele residia no Paraíso, cujo endereço era muito conhecido, e para onde se dirigiam suas queixas e desgostos, raramente a gratidão e o amor. Assim, Ele estava pensando, pelo menos por um período, transferir-se da sua morada, para um lugar onde fosse difícil de ser encontrado. Isso seria uma espécie de férias que Ele desejava experimentar e uma advertência para os filhos ingratos.


Concedera-lhes os predicados do pensamento e da lógica, a fim de que pudessem examinar as belezas existentes no Cosmo, presentes em mil expressões terrenas e, não obstante, na maioria das vezes, esses atributos eram utilizados para o desregramento, a agressividade e a insensatez. 


Todos os membros da Corte Celeste concordaram plenamente com a proposta divina e ficaram mais surpresos ainda, quando o Senhor lhes pediu sugestão sobre um lugar na Terra ou próximo dela onde pudesse ocultar-se temporariamente. 


Após larga reflexão, um serafim muito honrado pediu vênia para falar, e propôs: 


Acredito que a Lua seria um excelente lugar para repouso. O silêncio que paira na sua superfície é grandioso, e dali a observação do planeta terrestre faz-se tão bela quanto emocionante. Sugiro, portanto, que o Criador a eleja como Vossa próxima residência.


Todos os membros da excelsa assembleia concordaram com a sugestão tomada com sorrisos de júbilo. 


Mas, o Supremo Senhor, após meditar, redarguiu, preocupado: 


Eu posso prever o futuro, e graças a essa capacidade, vejo o ser humano chegando ao satélite terrestre e colocando ali os seus símbolos. Se lá eu estiver, nessa oportunidade, será muito mais difícil ter que suportar o atrevimento desses visitantes, que certamente não me deixarão em paz.
 


Um grande silêncio se abateu sobre todos, ante a desolação estampada na face do Excelso Pai. 


Um arcanjo, que era tido como um dos mais sábios, pediu licença, e expôs: 


Os oceanos são ainda grande mistério para os humanos, e o Triângulo das Bermudas apresenta uma fossa muito profunda, inalcançável. Sugiro que ali seja estabelecida a Vossa residência. 


Parecia estar resolvida a questão, quando o Supremo Chefe respondeu com tristeza: 


O ser humano é capaz de tudo. Posso prever um futuro não muito distante, no qual, se utilizando de equipamentos sofisticados e valiosos, ele descerá às maiores profundezas oceânicas, e, encontrando-me lá, tentará perturbar-me com a sua petulância e imprudência.


Estava-se num grande impasse, quando um anjo modesto, quase desconsiderado, pediu licença para opinar. 


Ele dizia pertencer ao Terceiro Mundo, onde havia muitos pobres, os quais, sempre se ajudavam, procurando diminuir as dificuldades que enfrentavam reciprocamente.

As Entidades mais elevadas, ante o inusitado acontecimento, olharam-no quase com piedade, pensando no que poderia sugerir um modesto anjo encarregado da limpeza do Paraíso!


Mas Deus, por misericórdia, olhou na direção do interlocutor e, com muita ternura, interrogou-lhe: 


Se tens alguma ideia, dize-nos. Em que lugar pensas que me poderei ocultar, a fim de não ser afligido pelos seres humanos?!
  


Eu sugiro, Senhor  (redarguiu o anjo humilde), que vos oculteis no coração da própria criatura humana, porque ali somente chegarão aqueles que muito se esforçarem para alcançar a própria evolução, e esses, quando a conseguirem, respeitar-vos-ão, entoando hinos de louvor à Vossa Majestade. 


Houve uma comoção que tomou conta de todos, que passaram a aplaudir o modesto servidor angelical. 


E, a partir daquele momento, Deus passou a residir no coração do ser humano, somente sendo encontrado por aqueles que realizam a viagem interior, autoiluminando-se e amando profundamente ao seu próximo. Até hoje esse é o lugar preferido por Ele...

Franco, Divaldo Pereira. Da obra: A Lenda do Esconderijo Seguro
Ditado pelo Espírito Selma Lagerlöf. LEAL.





2 comentários:

  1. Boa noite, Gilmar!
    Nosso coração é um templo sagrado, ainda bem que Deus o prepara com afinco e ternura!
    Abraço fraterno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, e Ele nos acolhe em sua inesgotável bondade e misericórdia!

      Excluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos