sábado, 25 de fevereiro de 2017

Um pedacinho do Livro das Ignorãças


Outros Autores

Uma didática da invenção
As coisas que não existem são mais bonitas

VII

No descomeço era o verbo.

Só depois é que veio o delírio do verbo.

O delírio do verbo estava no começo, lá onde a

Criança diz: Eu escuto a cor dos passarinhos.

A criança não sabe que o verbo escutar não funciona

para cor, mas para som.

Então se a criança muda a função de um verbo, ele

delira.

E pois.

Em poesia que é voz de poeta, que é a voz de fazer

nascimentos —

O verbo tem que pegar delírio.


BARROS, Manuel de. Uma Didática da Invenção. As coisas que não existem são mais bonitas. 1ª parte – VII. IN: O Livro das Ignorãças. 9 ed. Rio de Janeiro: Record, 2000, p15.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos