terça-feira, 18 de outubro de 2016

O cego e o publicitário

Metáfora



Havia um cego sentado numa calçada em Paris, com um boné a seus pés e um pedaço de madeira escrito com giz branco:



“Por favor, ajude-me, sou cego”



Um publicitário, da área de criação, que passava em frente a ele parou e viu umas poucas moedas no boné. Sem pedir licença, pegou o cartaz, virou-o, pegou o giz e escreveu outro anúncio. Voltou a colocar o pedaço de madeira aos pés do cego e foi embora.



Ao cair da tarde, o publicitário voltou a passar em frente ao cego que pedia esmola. Seu boné, agora, estava cheio de notas e moedas.



O cego reconheceu as pisadas do publicitário e lhe perguntou se havia sido ele quem reescrevera o cartaz, sobretudo querendo saber o que ele havia escrito.



O publicitário respondeu-lhe: 


— Nada que não esteja de acordo com o seu anúncio, mas com outras palavras.



E, sorrindo, continuou o seu caminho.



O cego nunca soube o que estava escrito, mas seu novo cartaz dizia:



"Hoje é primavera em Paris, e eu ... não posso vê-la!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos