sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Mexericos

Meus Rabiscos





Mexericos: não passe adiante!
Quando esse “piche” de imundícies impregna as mãos é porque o resto já foi tomado pela maldade.
“Mexerico” é maldade alcançando o outro. É maldade infernizando a sobrevivência do outro. É inveja porcamente incrustada, revelando máscaras doentias de maldade.
É... e quem tem um bom coração, por vezes, é alcançado pela maldade. Talvez porque anda sempre desarmado. Talvez porque a magnanimidade lhe habite a alma.
Sabe a sensação de sufocamento? Pois é! “Mexerico” é isso! A vida clama ser respirada, inteira e pura, mas o maldoso mexerico bloqueia as vias respiratórias, faz faltar chão, doer o peito e sofrer horrorosas sensações de desfalecimentos por insuficiência de ar!
E eu não dou conta de entender como a maldade se espalha. Não dou conta de aceitar que um ser humano queira mal a outro, deseje o inferno ao outro. Não dou conta de acolher a idéia de que o “olho gordo” manche a vida do outro. Não dou conta de acatar que o “mau olhado” ofereça trevas a corações límpidos e generosos.
“Mexericos” diferem de “Comentários Desagradáveis”. Enquanto o primeiro é maldade real, é mal transferido para ser alojado no outro, cujas defesas não estão de prontidão, o segundo é preso às palavras intempestivas, nascidas das intempéries do cotidiano, machucam, mas não “passam a morar”. Se no segundo a dialética do refazer e reconstruir ainda é possível, no primeiro não!
“Mexerico” é a encarnação do mal, feito Medusa e seu olhar petrificante. Em tempos atuais, os bocejos constantes, reclamando respiração profunda, petrificam corações de bondade.
Preciso confessar minha repugnância à maldade que pode ser espalhada! É tão mais fácil vibrar com o sucesso do outro! É tão mais íntegro olhar com bondade a trajetória do outro! É tão mais correto o bem querer gratuito! É tão mais cristã a atitude de servir e perdoar!
O “mexerico” da inveja, do mal querer, enfim, de todos esses males, só faz revelar a podridão que reclama limpeza, o auto-holocausto a ser extirpado, a pequenez a ser vencida.
O “piche”, tão viscosamente pegajoso, gruda para não sair fácil! A alma adoecida pelo negrume faz adoecer o outro ser humano, impondo-lhe os malefícios da ausência de Deus!  
Tempo então de manter as mãos límpidas! Tempo de refletir propósitos de vida! Tempo de convidar Deus a agir e pertencer na fé! Tempo de entrega plena! Indescritivelmente plena!
Tempo de afetividade! Tempo de aprender!






Imagem: desconheço os direitos autorais. 
Ela foi escaneada de um quadro encontrado "num armário de escola", sem maiores informações.
Se alguém souber a origem, por favor, me comunique! 
Gostaria muito de dar créditos ao autor ou autora, pela relevância e significado da obra.



Publicado originalmente em 6 de novembro de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos