quinta-feira, 19 de julho de 2012

Da minha precoce nostalgia

Maria Sanz Martins


Imagem: http://www.corposaun.com


Quando eu for bem velhinha, espero receber a graça de, num dia de domingo, me sentar na poltrona da biblioteca e, bebendo um cálice de Porto, dizer à minha sobrinha neta:
- Querida, venha cá. Feche a porta com cuidado e sente-se aqui ao meu lado. Tenho umas coisas pra te contar.
E assim, dizer apontando o indicador para o alto:
- O nome disso não é conselho, isso se chama corroboração! Eu vivi, ensinei, aprendi, caí, levantei e cheguei a algumas conclusões. E agora, do alto dos meus 80 anos, com os ossos frágeis, a pele mole e os cabelos brancos, minha alma é o que me resta saudável e forte.
Por isso, vou colocar mais ou menos assim:
- É preciso coragem para ser feliz. Seja valente.
- Siga sempre seu coração. Para onde ele for, seu sangue, suas veias e seus olhos também irão.
- E satisfaça seus desejos. Esse é seu direito e obrigação.
- Entenda que o tempo é um paciente professor que irá te fazer crescer, mas escolha entre ser uma grande menina ou uma menina grande, vai depender só de você.
- Tenha poucos mas, bons amigos. 
- Tenha um jardim.
- Aproveite sua casa, mas vá a Fernando de Noronha, a Barcelona e a Austrália.
- Cuide bem dos seus dentes.
- Experimente, mude, corte os cabelos.
- Ame. Ame pra valer, mesmo que ele seja o carteiro.
- Não corra o risco de envelhecer dizendo "ah, se eu tivesse feito..."
- Tenha uma vida rica de vida. Vai que o carteiro ganha na loteria - tudo é possível, e o futuro é imprevisível.
- Viva romances de cinema, contos de fada e casos de novela.
- Faça sexo, mas não sinta vergonha de preferir fazer amor.
- E tome conta sempre da sua reputação, ela é um bem inestimável. Porque sim, as pessoas comentam, reparam, e se você der chance elas inventam também detalhes desnecessários.
- Se for se casar, faça-o por amor. Não faça por segurança, carinho ou status. A sabedoria convencional recomenda que você se case com alguém parecido com você, mas isso pode ser um saco! Prefira a recomendação da natureza, que com a justificativa de aperfeiçoar os genes na reprodução, sugere que você procure alguém diferente de você. Mas para ter sucesso nessa questão, acredite no olfato e desconfie da visão. É o seu nariz quem diz a verdade quando o assunto é paixão.
- Faça do fogão, do pente, da caneta, do papel e do armário, seus instrumentos de criação.
- Leia, pinte, desenhe, escreva.
- E por favor, dance, dance, dance até o fim, se não por você, faça-o por mim.
- Compreenda seus pais. Eles te amam para além da sua imaginação, sempre fizeram o melhor que puderam, e sempre farão.
- Cultive os amigos. Eles são a natureza ao nosso favor e uma das formas mais raras de amor.
- Não cultive as mágoas - porque se tem uma coisa que eu aprendi nessa vida é que um único pontinho preto num oceano branco deixa tudo cinza.
- Era só isso minha querida. Agora é a sua vez.
 
- Por favor, encha mais uma vez minha taça e me conte: como vai você?

5 comentários:

  1. Lindo, lindo. Eu acho que faria o mesmo.
    Uma taça para mim, por favor.
    Um grande bj

    ResponderExcluir
  2. Gilmar, que texto sublime. Esse eu vou guardar para mais, bem mais tarde mostrar a minha filha. Abçs.

    ResponderExcluir
  3. Achei muito interessante, pois são coisas que todos deveríamos saber, tirando conclusões da prórpia existência, mas sempre é bom ter alguém que divida isso com outras pessoas que ainda não chegaram a esse amadurecimento.

    Grata pela visita.
    Te sigo.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Exceto a parte da reputação, o resto eu entendi. Melhor mesmo seria nem ter reputação, não vivendo tempo suficiente num mesmo lugar para criar uma... rs

    Abraço, Gilmar!

    Michelle

    ResponderExcluir
  5. Olá, Gilmara
    Meu papai se foi e a saudade dói até hoje... que falta ele me faz!!!
    Seja feliz e abençoado!!!
    Abraços fraternos de paz

    ResponderExcluir

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos