domingo, 20 de novembro de 2016

Lábios que vigiam os olhos...

Meus Rabiscos
Nossa incontroversa sanidade, por vezes,
se vê atropelada por desatinos que os olhos
insistem anunciar como possíveis...
Quem disse de tal ilegitimidade
desconhece lugares de inconfessos
desejos e vontades...

Optamos, tantas vezes, por apequenar
a ousadia...

Optamos por cega-la, em nome de
"sei lá tantas coisas"!!

Depois, tempo ido, que não retorna mais
ao ponto da momentânea insanidade,
resta o quase nada do enfadonho e
acovardado "se"...

E os olhos, que tanto insistiram vigiar os lábios,
bem diante da tal insanidade,
se vestem então de mirabolantes sonhos...
solilóquios emudecidos na incerteza...

Os lábios não anunciaram...
Temeram os olhos...
Vigiaram... Foram vigiados... Perderam... 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos