sábado, 14 de maio de 2016

Amor em certa idade...

 Humor
Início de inverno, temperatura começando a cair e um casal de velhinhos deitado na cama...

A esposa, nada satisfeita com a distância entre eles, querendo um pouco de aconchego, faz lembrar ao marido:
— Quando éramos jovens você costumava segurar a minha mão na cama...

Ele hesita um pouco e, depois de alguns resmungos, em breves momentos, estica o braço e segura a mão da esposa.

Ela, por sua vez, não se dá por satisfeita. Queria mais.

— Quando éramos jovens você costumava ficar bem pertinho de mim. Bem encostadinho no meu corpo...

Uma hesitação um pouco mais prolongada dessa vez... Resmungos mais altos e caretas com olhares de reprovação, mas lá foi ele atender ao pedido. Virou o corpo com certa dificuldade e alguns gemidos doloridos, mas depois de algum tempo se aconchegou bem mais perto, deixando o corpo bem encostadinho no da mulher.

Ela, ainda insatisfeita, mas já constatando o sucesso nos pedidos anteriores, foi logo cutucando de vez o pobre marido:

— Quando éramos jovens você costumava mordiscar suavemente a minha orelha...

Ele dá um longo suspiro, resmunga coisas incompreensíveis, joga a coberta de lado, se senta, calça a pantufa e sai da cama andando lentamente...

Ela se sente ofendida e abandonada. Fala então com voz chorosa:

— Onde você vai, meu bem?!!

E ele responde, nada romântico:

— Vou buscar a minha dentadura, porra!!!!!!!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade!
Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo fique à vontade para o diálogo: comentar, concordar, discordar, acordar...

Imagens dos Caminhos